Filmes e séries

Produtor de "Rocky" e "Touro Indomável", Robert Chartoff morre aos 81 anos

Charley Gallay/Getty Images
O produtor norte-americano Robert Chartoff em imagem de junho de 2007 Imagem: Charley Gallay/Getty Images

Curtis Skinner

De San Francisco, nos EUA

11/06/2015 11h55

O produtor norte-americano Robert Chartoff, nome por trás de filmes de sucesso como os cinco longas da saga "Rocky" (de 1976 a 1990) e "Rocky Balboa" (2006), com Sylvester Stallone, e "Touro Indomável" (1980), com Robert De Niro, morreu na última quarta-feira (10), na Califórnia, aos 81 anos.

A filha de Chartoff, Julie Chartoff, disse à rede CNN que o pai morreu em casa, em Santa Monica, cercado pela família. "Ele era um pai e uma pessoa maravilhosos. Não há palavras", declarou.

Nascido em 26 de agosto de 1933, Chartoff dividiu em 1977 o Oscar de Melhor Filme com seu parceiro Irwin Winkler pelo primeiro "Rocky", escrito e estrelado por Stallone. A dupla então seguiria para produzir os demais longas da série.

O produtor também foi indicado ao segundo Oscar, em 1981, por produzir o filme "Touro Indomável", de Martin Scorsese, sobre o pugilista meio-pesado Jake La Motta. Durante as gravações, De Niro precisou engordar 30 quilos, para interpretar o lutador após a aposentadoria. Para que desse tempo de o ator ganhar peso, as filmagens foram suspensas por dois meses. Pelo papel, De Niro levou a estatueta do Oscar e o Globo de Ouro de Melhor Ator em 1981.

O filme mais recente produzido por Chartoff , "Creed", é uma continuação da série "Rocky" e está em fase de pós-produção. Nele, Stallone viverá novamente o personagem mais famoso de sua carreira, mas o enredo se concentra na história de Adonis Creed, neto do personagem Apollo Creed (presente no "Rocky" 1 ao 4), amigo e ex-adversário do "Garanhão Italiano".

O novo longa será estrelado por dois pugilistas que estão em atividade no boxe profissional: Andre Ward e Tony Bellew. Já Adonis será interpretado pelo ator Michael B. Jordan. A direção é de Ryan Coogler, que conduziu as filmagens em Las Vegas e na Filadélfia no início do ano.

AP
Os produtores Robert Chartoff (dir.) e Irwin Winkler com Stallone ao receber o Globo de Ouro por "Rocky", em 1977 Imagem: AP

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Topo