Filmes e séries

Com fogos de artifício, concerto de Star Wars emociona fãs

Beatriz Amendola

Do UOL, em San Diego (EUA)

11/07/2015 02h57

Após um painel cheio de surpresas, incluindo Harrison Ford, Carrie Fisher e Mark Hamill, os fãs de "Star Wars" tiveram um encerramento emocionante na San Diego Comic-Con, nesta sexta-feira (10): os mais de 6.000 fãs presentes no disputado Hall H foram levados para um concerto com músicas marcantes da saga cinematográfica --que ganhará um novo episódio, "O Despertar da Força", em dezembro.

Conduzida pela Orquestra Sinfônica de San Diego, a apresentação, que começou por volta das 20h15 (horário local) e durou cerca de 45 minutos, teve início com "The Imperial March", o tema do vilão Darth Vader, e prosseguiu mesclando as músicas com cenas dos filmes, exibidas em um telão no meio do palco. Animados, os fãs aplaudiam tanto as músicas quanto as cenas, como o selinho de Leia e Luke.

Como não poderia deixar de ser, o final ficou por conta da música tema de "Star Wars",  acompanhada por um exuberante show de fogos na baía de San Diego. Em estado de catarse, o público se alternava entre os fogos e a orquestra.

Surpresa

Escoltado por stormtroopers, o público do painel de "Star Wars" pegou credenciais específicas para o concerto, contornou o Centro de Convenções e caminhou até um espaço na marina da cidade californiana, onde foi montada uma grande estrutura, com palco e barracas de comida. Apesar do grande número de pessoas, a caminhada até la transcorreu de forma tranquila, sem tumultos, mesmo quando passaram os carros que levavam os atores e o diretor J.J. Abrams.

Chegando ao local do show, os fãs ganharam um mimo especial: sabres de luz, que acendem e fazem sons como os dos filmes. Enquanto o show não começava, vários grupos de amigos se divertiam com os sabres e lutavam.

O concerto começou por volta das 20h15, quando Abrams e Kathleen Kennedy, presidente da Lucasfilm, subiram ao palco. "Queremos agradecer vocês por andarem aqui de forma tão organizada. Isso foi extraordinário", disse o cineasta, que chamou ao palco todo o elenco principal de "O Despertar da Força".

John Williams, compositor da trilha sonora de "Star Wars", não pôde estar presente e enviou um vídeo para pedir desculpas ao público. "Sinto muito por não poder estar aí hoje, mas reuni alguns dos meus momentos favoritos da trilha. E vocês estarão acompanhados por uma das minhas orquestras preferidas. Divirtam-se, e que a força esteja sempre com vocês".

Fãs aprovam

O concerto foi mais do que aprovado pelos fãs da saga. As amigas Lizzie e Christina, de San Diego, descreveram o evento como "incrível". "Pensamos que fôssemos ganhar uma camiseta, um adesivo, mas esse foi um concerto inteiro, com sabres de luz de graça", disse Lizzie. A amiga completou: "Nós estávamos acampando desde as 21h30 de quarta-feira e valeu a pena, valeu muito a pena".

Joe Erick, veterano de Comic-Con, ressaltou que nunca havia visto nada desse tipo. "Venho aqui há 16 anos e esse é o final mais incrível de uma noite de 'Star Wars' que já vi, quer dizer, de toda a Comic-Con. Foi o melhor", disse ele, que faz parte de um fã-clube dedicado aos filmes.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo