Filmes e séries

Sucesso em "Meu Passado me Condena", Miá conta curiosidades de sua vida

Mariane Zendron

Do UOL, em São Paulo

18/07/2015 06h00

Há duas semanas em cartaz, "Meu Passado me Condena 2" já levou mais de 1,2 milhão de pessoas aos cinemas. Uma das responsáveis pelo sucesso do filme, ao lado de Fábio Porchat, é a atriz Miá Mello, que há 3 anos dá vida à personagem que também leva seu nome, já que a obra também foi adaptada para TV e teatro.

Muito do passado de Miá, a personagem, já foi revelado, mas uma boa parte da trajetória de Miá, a atriz, ainda está por ser descoberta. Nem Miá ela se chama --seu nome de batismo é Marília Penariol Melo, mas por algum motivo a família começou a chamá-la de Miá quando  ainda tinha pouco tempo de vida. O UOL conversou com a atriz, que detalhou outras passagens curiosas de seu passado e uma novidade do futuro.

5 curiosidades do passado de Miá:

Levou uma mordida de cavalo

"Sempre gostei de bichos. Adora pegar, passar a mão. Quando eu tinha 9 anos, estava em Cássia, cidade do meu pai que fica no sul de Minas, passei a mão em cavalo e ele me mordeu na cabeça. Voltei para casa andando, toda ensanguentada, e disse chorando a frase que a minha mãe repete até hoje: 'Não foi culpa do cavalo'. Não queria que brigassem com o cavalo. Fui para a Santa Casa e tive que levar alguns pontos. Algumas horas depois, a campainha de casa toca e é o homem da Santa Casa devolvendo o cheque porque o cavalo era deles".

Já cantou num grupo de hip hop

"Comecei a banda em 2008, chamada Squat. Eu já tinha uns versos escritos porque já tinha feito um para a minha mãe. Tinha facilidade porque rap é como poesia, uma coisa mais escrita, mais que cantada. A banda tinha só três meses quando fui convidada para entrar no (grupo de humor) Deznecessários. Eu amava cantar, mas eu tive que optar por uma coisa só porque não estava dando conta. A adrenalina de estar no palco cantando é diferente de estar no palco como atriz. É muito doido ouvir as pessoas cantando a musica que você escreveu".

Praticava trampolim acrobático

“É uma técnica desenvolvida em uma cama elástica. Fiz dos 22 aos 27 anos, quando morava em São Paulo. É uma pena que eu não consiga fazer mais. Era uma loucura esse negócio, porque minhas amigas também começaram a ir e não conseguiam parar. Era bem legal e exaustivo”.

Nasceu de sete meses

“Minha mãe diz que eu não aguentei ficar na barriga dela por muito tempo. Sempre fui agitada. Meu pai tinha aquelas câmeras de vídeo grandonas, sabe? Eu me gravava cantando 'Fera, Ferida'. Colocava minha cachorra em uma cesta e fingia que ela era uma cobra. Sempre fui brincalhona". 

Teatro era hobby, publicidade, profissão

“Não escolhi seguir a carreira artística logo de cara porque achei que isso não fosse possível. No último ano da faculdade de publicidade, eu tinha algumas noites livres e comecei a fazer teatro por hobby. Foi lá que eu percebi que pessoas trabalhavam com isso. Já ganhava bem com publicidade, mas decidi ir atrás desse sonho e meus pais me apoiaram muito. Aquela história, fui atrás do meu sonho maravilhoso e não tinha dinheiro nem para comer. Comecei a trabalhar em uma agência, mas já estava acordado que eu sairia quando tivesse testes. No começo, foi difícil sair no meio do expediente, mas logo comecei a fazer uns eventos dos clientes. Me chamavam para ser a Maria do Azeite, para representar países. Já me vesti de Equador, Peru. Isso começou a viabilizar o sonho, porque todo sonho, no começo, exige muita doação".

E uma curiosidade do futuro:

Prepara um novo filme para 2016

Apaixonada por cinema, a atriz --que já atuou em "Cilada", com Bruno Mazzeo, e já fez a voz da alegria em "Divertida Mente"--, prepara mais um longa. Na comédia romântica "Depois de Você", Miá vive a melhor amiga de Lúcia (Mariana Ximenez), que é casada com um deputado e percebe que seu relacionamento está em crise. O filme tem previsão para estrear no primeiro semestre de 2016. 

Veja o trailer de "Meu Passado Me Condena 2":

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo