Filmes e séries

Apesar de triplicar lucro, Sony tem perda de US$96 milhões no cinema

Do UOL, em São Paulo

30/07/2015 10h21

A gigante Sony, quinto maior conglomerado de mídia do mundo, sofreu uma prejuízo de US$ 96 milhões na divisão de cinema e TV, apesar de os lucros gerais da empresa terem triplicado do primeiro quarto deste ano, de acordo com a imprensa internacional.

De abril a junho deste ano, a empresa teve um faturamento inalterado de US$ 14,8 bilhões a lucro líquido de US$ 676 milhões, segundo balanço financeiro divulgado pela própria empresa.

No entanto, o seguimento de cinema, que inclui a Sony Pictures Entertainment, produções de TV e redes de mídia, viu uma queda de 12% na receita de US$ 1,41 bilhão. O lucro que era de US$78 milhões passou para perda de US$ 96 milhões.

Ano passado, o estúdio lançou blockbusters como o "O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro" e "Anjos da Lei 2", que geraram boas receitas para empresa.

Ciberataque coreano e saída de Amy Pascal

Soma-se à falta de grandes estreias em 2015 o ataque virtual que a companhia sofreu no final do ano passado. A autoria  foi assumida pelo grupo norte-coreano "Guardians of Peace", em represália ao lançamento do filme "A Entrevista". Na comédia, os atores James Franco e Seth Rogen interpretam dois jornalistas recrutados pela CIA para matar o líder norte-coreano Kim Jong Un.

O ataque causou uma série de constrangimentos à Sony com a divulgação de informações confidenciais sobre atores, diretores e vários de seus funcionários, incluindo executivos de alto-escalão.

Dois meses depois do ataque, a copresidente da empresa, Amy Pascal, anunciou sua renúncia ao cargo. Na empresa desde 1988, a veterana executiva foi a mais prejudicada pelo ataque. Em alguns de seus e-mails que vazaram, ela chegou a dizer que Leonadro DiCaprio é "desprezível" e que Angelina Jolie é uma "garota mimada".

Semanas antes da renúncia de Pascal, O presidente-executivo da Sony, Kazuo Hirai, acreditava que o ciberataque não teria um impacto financeiro significativo. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo