Filmes e séries

Esmagados pelos blockbusters, cineastas veem crise em filmes autorais

Mario Miranda Filho/Festival de Paulínia/Divulgação
Exibição de "A História da Eternidade" no Festival de Paulínia 2014 Imagem: Mario Miranda Filho/Festival de Paulínia/Divulgação

Tiago Dias

Do UOL, em São Paulo

13/08/2015 12h09

“Se o cinema independente nacional continuar sendo tratado como é hoje, ele vai sumir”. A fala em tom alarmista de Jean Thomas Bernardini, diretor da distribuidora Imovision, pode soar exagerada, mas reflete uma preocupação de uma parcela significativa dos autores de cinema no Brasil.

Longas de médio e pequeno porte, os chamados filmes autorais, têm amargado, ano após ano, bilheteria pífia no circuito comercial. São produções que passam por festivais internacionais, voltam ao Brasil com prêmios e críticas positivas, mas quando finalmente aterrissam nas salas, somam uma média de 10 mil espectadores.Em outros tempos, filmes sem ampla distribuição e apelo do grande público, como “Amarelo Manga” (2002), de Claudio Assis, e “Cinema, Aspirina e Urubus” (2005), de Marcelo Gomes, chegavam a fazer 120 mil espectadores.

“Partiram de uma visão equivocada. Primeiro foram fazer muitos filmes, para depois ir atrás dos exibidores. Isso afunila no final e não adianta nada. Limita o lançamento”, observa Bernardini, apontando o crescimento do cinema nacional.

A produção de longas nacionais deu um salto em comparação ao início dos anos 2000. O circuito acompanhou o crescimento, alcançando 2,8 mil salas, mas, em movimento inverso, o mercado exibidor se retraiu para esses filmes. Mesmo com carimbos internacionais, “Casa Grande”, de Fellipe Barbosa, e o drama de guerra com co-produção internacional “A Estrada 47”, de Vicente Ferraz, não passaram da casa dos 30 mil ingressos vendidos.

Incluindo as comédias nacionais, as produções brasileiras atraíram 7,4 milhões de pessoas no 1º semestre, uma queda de 35,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

Nos últimos anos, poucas produções dessa seara mais independente atingiram os três dígitos: “Praia do Futuro”, de Karin Aïmuz, e “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, de Daniel Ribeiro, fizeram, respectivamente, 133 mil e 204 mil espectadores.

“É muito pouco. O filme mais badalado da Argentina, 'Relatos Selvagens', fez 3 milhões no país”, compara o cineasta pernambucano Lírio Ferreira, que recentemente revelou sua preocupação com o baixo público de seu último filme, "Sangue Azul”, em depoimento ao "Diário de Pernambuco".

Divulgação
'Sangue Azul', do diretor Lírio Ferreira, tem ator Daniel de Oliveira em busca de amor impossível em Fernando de Noronha Imagem: Divulgação
Lei
Com passagem pelo Festival de Berlim e prêmios em Paulínia e no Rio, “Sangue Azul” foi idealizado para ser o filme mais comercial da carreira do cineasta, desde a locação em Fernando de Noronha até o papel de protagonista para Daniel de Oliveira.

O longa chegou a entrar em um complexo de cinemas em um shopping center em Recife, após o diretor ligar pessoalmente para pedir uma chance além da primeira semana. Em vão. “Sangue Azul” foi visto por apenas 9 mil espectadores – e se tornou seu filme menos visto.  

Isso ainda ocorre mesmo em um cenário que já conta com  uma cota de tela para filmes nacionais, garantida por decreto da Ancine. Assim, complexos de uma sala devem exibir filmes brasileiros por, pelo menos, 28 dias no ano – e ao menos três títulos diferentes. A cota cresce conforme o tamanho do complexo. Geralmente, assim como aconteceu com “Sangue Azul”, os filmes brasileiros ganham apenas um horário na grade, durante somente uma semana.

Lírio, que chegou a fazer 90 mil com seu primeiro filme, “Baile Perfumado” (1997), defende que é necessário garantir em lei também a limitação de lançamentos de  blockbusters americanos. No ano passado, o filme “Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1” estreou em 46% das salas, um recorde no país, causando a ira do cinema independente.

Bernardini

  • Divulgação

    "É um mercado de oportunismo. Se não tem uma lei rígida, com punição, então nasceu para não ser aplicada"

    Jean Thomas Bernardini, diretor da distribuidora Imovision, sobre limite de salas para lançamento de blockbusters
A Ancine fez então um acordo de cavalheiros com representantes do mercado, para que nenhum título ultrapasse 35% de ocupação do circuito. O descumprimento acarretaria em uma cota de tela adicional. Meses depois, “Os Vingadores: A Era de Ultron” furou o acordo e a rede de cinemas Cinépolis, a segunda maior do Brasil, entrou na Justiça para derrubar a contrapartida. A rede mexicana promete 50 novas salas para o ano que vem e não retornou o contato da reportagem para comentar a ação.

"O blockbuster americano ou uma comédia nacional dessas mais acessíveis ficam disputando esse espaço. Estamos jogando no ralo toda uma produção. Acaba que o circuito desses filmes são apenas os festivais”, observa o cineasta ao UOL. Bernardini engrossa o coro por uma lei: “É um mercado de oportunismo. Se não tem uma lei rígida, com punição, então nasceu para não ser aplicada".

Em entrevista ao UOL durante lançamento de “Real Beleza”, novo filme de Jorge Furtado, o ator Vladimir Brichta revelou ter receio do desempenho que o filme poderia ter: “O cinema hoje em dia sofre para cacete para não ser atropelado por filmes com apelo imenso, como os heróis da Marvel ou as comédias da Globo Filmes", comentou. "É um pouco frustrante saber que, se você não tem uma divulgação agressiva, daquelas que cria tipo um vírus 'preciso ver esse filme', você pode acabar sendo visto por menos pessoas do que imaginava.”

Procurada pela reportagem, a Ancine disse que só discutirá o assunto no fim do ano, quando o balanço do público for divulgado.

A culpa é de quem?
A reverência aos filmes hollywoodianos, o boom de comédias no cinema brasileiro e a baixa na econômica brasileira interferem e colaboram para o enxugamento do público de cinema independente. Mas a abordagem das histórias e a redefinição do público também faz parte do processo.

Lúcia Murat

  • Divulgação

    A legislação deve ser acompanhada com formação educacional. É evidente que uma parte da chamada classe C entrou no mercado, algumas vezes sem formação cultural, e vai ao cinema para assistir o que ela vê na televisão

    Lúcia Murat, Diretora e produtora
Em entrevista ao UOL ano passado, Adhemar Oliveira, fundador da rede exibidora Espaço de Cinema, afirmou que havia falta de planejamento em alguns filmes que esperavam uma sala por anos. "Não se pensa no público, no lançamento, no mercado, no marketing. O que não dá é gerar um filme num formato que não tem futuro", explicou.

Favorável à ideia de uma lei que regulamente o mercado, a diretora e produtora Lucia Murat observa que a formação de público também é essencial. “A legislação deve ser acompanhada com formação educacional. É evidente que uma parte da chamada classe C entrou no mercado, algumas vezes sem formação cultural, e vai ao cinema para assistir o que ela vê na televisão", observa.

Com seu documentário “A Nação que Esperou por Deus” (444 pessoas em quatro semanas de exibição), ela diz que tem investido em um circuito alternativo, propondo debates após as sessões. “Demanda uma disponibilidade sua grande, mas acho que é necessário criar um novo circuito”.

Em São Paulo, a recém-criada SPCine tem desenvolvido políticas voltadas à distribuição e à exibição, contemplando alguns filmes com espaço em cineclubes da capital. Para Lucia, a ação é um bom exemplo para tentar impulsionar essa produção.

Diretora de “Quase Dois Irmãos” (100 mil espectadores em 2005), ela afirma que as novas mídias têm salvado esses filmes do esquecimento. “É óbvio que meu filme novo é mais visto do que o meu primeiro. Hoje há canais, TV a cabo, streaming. Mas não quero abrir mão da experiência cinematográfica. A imersão é essencial, é outra relação com a sala escura”.

Baixo público

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    "Casa Grande"

    Festival de San Diego e Rotterdam, prêmios em Paulínia: 37 mil

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    "A Estrada 47"

    Co-produção Brasil / Itália / Portugal e melhor filme em Gramado: 32 mil

  • Imagem: Divulgação/Espaço Filmes
    Divulgação/Espaço Filmes
    Imagem: Divulgação/Espaço Filmes

    "O Homem das Multidões"

    Festival de Guadalajara, Toulouse e Berlim, elogio no ?Le Monde?: 11 mill

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    "Sangue Azul"

    Festival de Berlim, prêmios em Paulínia e no Rio: 9 mil

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    "Jogo de Xadrez"

    Sem carreira em festivais, Priscila Fantin no elenco: 521 espectadores

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    "Ventos de Agosto"

    Abertura do Festival de Locarno, elogios na revista "Variety": 7 mil

* Com informações de Felipe Blumen

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Erratas
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
EFE
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Ricardo Feltrin
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Topo