Filmes e séries

"Eu realmente queria atuar", diz Fassbender sobre o trabalho de bartender

Reprodução/The New York Times
O ator Michael Fassbender em ensaio fotográfico para o "The New York Times" Imagem: Reprodução/The New York Times

Do UOL, em São Paulo

11/09/2015 17h06

Michael Fassbender, 38 anos, que vai estrelar os filmes "Macbeth" e "Steve Jobs", está na capa da revista de estilo "T Magazine", de 13 de setembro, do jornal "The New York Times".

Na entrevista, o ator contou como começou a carreira de ator, quando precisou de duas audições antes de ser escolhido para estrelar de "Hunger", de Steve McQueen. O filme conta a história de um grupo de irlandeses em greve de fome.

O site "The Wrap" selecionou algumas curiosidades sobre o ator, publicadas na "T Magazine".

  • Fassbender desmaiou após assistir a cena intensa de estupro que a personagem de Lupita Nyong’o sofreu em "12 Anos de Escravidão".
  • Em 2011 ele tirou seis semanas de férias e viajou com seu pai para um festival de cinema em Sarajevo. O prefeito de Dubrovnik ofereceu um barco para a sua família. Com a mãe e o pai, eles fizeram uma viagem em família.
  • Em uma pegadinha de primeiro de abril ele pediu para ligarem para seus pais dizendo que ele tinha sido preso e precisava de US$ 10 mil de fiança.
  • A história de "Macbeth" é vista na Inglaterra como amaldiçoada. Fassabender, no entanto, disse que não acredita em profecias, sinais ou superstições. Exceto quando ele vê uma pomba solitária, então ele a cumprimenta.
  • Ele acha que seu número da sorte é sete, já que nasceu em 1977 e o filme "Hunger" foi feito em 2007.
  • Quando tinha 20 e poucos anos, Fassbender trabalhou alguns anos como bartender. "Eu gostava do bar mas, Deus, eu realmente queria atuar", ele disse. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo