Filmes e séries

"O Samba" mostra o Carnaval como ainda não se havia mostrado, diz Martinho

Natalia Engler

Do UOL, em São Paulo

24/09/2015 06h00

Samba no Brasil já virou quase um clichê, mas o ritmo continua a encantar muitos gringos. Foi o que aconteceu com o cineasta francês Georges Gachot, que colocou seu olhar de estrangeiro sobre a música, o Carnaval e um de seus representantes –Martinho da Vila– no documentário "O Samba", que estreia nesta quinta (24).

"A grande vantagem do filme é essa", pondera Martinho sobre a falta de intimidade de Gachot com esse universo. "Porque ele colocou coisas que são de dentro do samba. Abre o filme com uma alegoria coberta de plástico, enquanto a gente mostraria logo uma alegoria bonita. O grande barato pra ele eram as pessoas empurrando, o trabalho que dá pra botar alegria na avenida. Ele foi por aí e mostrou a escola de samba como ainda não se havia mostrado", acredita.

Um dos aspectos novos que "O Samba" revela, na opinião do artista, é a função educacional. "Tem esse nome escola de samba e funciona como escola. Isso não passa pela cabeça das pessoas. Tem meninos aprendendo a tocar, tem criança batucando, tem meninas ensaiando pra sair na bateria. Essa coisa do ensino foi muito bom pro filme", conta Martinho.

Mas o músico não tinha a intenção de se tornar personagem dessa história. "Isso aconteceu, sabe? Quando ele me falou que queria fazer um filme sobre o samba, eu até não estava muito disposto, mas ele pediu para mostrar os caminhos, ajudar. Aí eu mandei ele à Vila Isabel e depois ele me pediu: 'posso ir aonde você for?'. E começou a andar atrás de mim. Foram dois anos de 'perseguição'", conta, rindo.

Para o diretor, não era possível separar a Vila Isabel de um de seus representantes mais ilustres. "A escola da Vila Isabel e o Martinho são a mesma coisa. Ele cresceu dentro dessa escola. É uma história muito rica. Mas primeiro encontrei o Martinho, e depois ele me levou na Vila Isabel. Antes de fazer esse filme, eu já tinha passado muitas vezes na frente da quadra e gostei muito daquele lugar. Pensava que um dia entraria ali. Entrei em 2011, quase oito anos depois de ter chegado pela primeira vez no Brasil", contou Gachot ao UOL durante o Festival do Rio 2014.

Sua história com o país começou em 1998, ao ver um show de Maria Bethânia no Festival de Montreux que "mudou" sua vida e depois renderia dois documentários --"Maria Bethânia - Música é Perfume" (2005), e "Rio Sonata" (2010), sobre Nana Caymmi.

Para Martinho, no entanto, o novo documentário não é sobre ele próprio. "Acabou que é um filme sobre o samba, sobre a Vila Isabel, sobre o Martinho. Pode se ver de várias maneiras".

Faço primeiro música. Se o assunto que eu estou enfocando tem mazela, aí eu coloco, mas não panfletariamente, que também não é isso. Elas [as mazelas] estão sempre nas entrelinhas, não como uma coisa muito direta. Uma forma mais eficiente de conseguir as coisas é conquistar o adversário. Quando vê, a pessoa já está com a gente. É uma outra tática para atingir os objetivos.
Martinho da Vila, sobre a mistura entre mazelas e alegria que o samba carrega

Realmente, o documentário alterna momentos nos bastidores da quadra da Vila Isabel, na comunidade da escola, depoimentos de artistas como Ney Matogrosso, e conversas mais reservadas com o sambista em diversos locais, inclusive em seu sítio, momentos em que ele demonstra uma certa timidez diante da câmera.

E a câmera incomodou em algum momento? " Muitas vezes", diz, rindo. "Porque ele filmava tudo. Ter uma câmera te seguindo o tempo inteiro é meio complicado, né? Então, às vezes eu perguntava se dava pra ele parar. Não era pra esconder nada, não. É que incomoda, sabe? Cansa. Mas depois eu fui me acostumando. Em todo lugar que eu ia, ele ia", conta.

Mas por quê, então, aceitar a "perseguição"? "Porque, logo nos primeiros contatos, a gente foi pegando uma empatia, ficamos amigos. Aí pronto, ficou um trabalho entre amigos. Então, foi fácil".

Mazelas e alegria

Em um dos momentos de maior intimidade de Martinho com a câmera, ele lembra que os fundadores do samba eram negros e pobres, e falavam disso em sua música.: E filosofa: "O samba é uma música brasileira que fala sobre as mazelas com um toque de alegria".

Continua assim? "No samba ainda rola bastante, mas a música brasileira de modo geral está muito oba-oba ou muito sofrimento, não está misturando muito", acredita ele, citando como exemplo a sofrência.

Para Martinho, essa mistura de tristeza é uma característica da cultura brasileira. "O samba é assim. O sambista sempre falou do seu desemprego, do seu barracão, da sua família, do trabalho, essas coisas. Mas não é uma coisa pra sofrer. É uma coisa pra dançar, pra se divertir, pra mostrar, pra falar da coisa. Aquele sofrimento existe, mas não é pra ficar sofrendo naquela hora", acredita. "Em outras línguas, o artista canta uma canção triste e faz logo uma expressão de tristeza. A gente aqui não, a gente canta normalmente. 'Bandeira branca amor, não posso mais' é uma coisa fúnebre, e a gente canta pra dançar o Carnaval. É uma característica brasileira".

Ainda que fale das tais mazelas em canções como "O Pequeno Burguês", o sambista acredita que a música tem que vir antes da denúncia social, e aposta em uma outra tática para falar dos problemas.

"Faço primeiro música. Se o assunto que eu estou enfocando tem mazela, aí eu coloco, mas não panfletariamente, que também não é isso. Elas [as mazelas] estão sempre nas entrelinhas, no geral, não como uma coisa muito direta. Uma forma mais eficiente de conseguir as coisas é conquistar a pessoa, conquistar o adversário. Então, a gente fala das coisas tristes e vai. Quando vê, a pessoa já está com a gente. É uma outra tática para atingir os objetivos", conclui.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
Da Redação
do UOL
Reuters
Chico Barney
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
EFE
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
Topo