Filmes e séries

Ashley Judd diz ter sido assediada por executivo do cinema nos anos 90

Getty Images
A atriz americana Ashley Judd, que afirmou ter sofrido assédio sexual nos anos 1990 Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

06/10/2015 17h39

Após ter afirmado em março que já foi vítima de estupro, incesto e outros tipos de violência sexual, a atriz americana Ashley Judd surpreendeu mais uma vez ao confessar à revista "Variety" um novo caso de assédio sexual, ocorrido durante as filmagens de "Beijos que Matam" (1997) e envolvendo um dos mais "famosos e admirados" chefes de um estúdio rival da Paramount, que produziu o filme.

O nome dele e da companhia, no entanto, não foram revelados por Ashley, que relatou o episódio em um texto escrito em primeira pessoa na edição especial "Power of Women", que tem como foco o feminismo no cinema.

Segundo a atriz, o assediador a coagiu para que ela o visitasse em seu quarto de hotel, sob o falso pretexto de falar sobre papéis em filmes de seu estúdio. Após uma conversa dúbia e repleta de condicionais e situações estranhas, o figurão teria chegado ao ponto de obrigá-la a vê-lo tomar banho em troca de futuras escalações.

"Ele foi muito dissimulado e se mostrou especialista no assunto. Ele me 'preparou', para usar um termo técnico: 'Venha me encontrar no hotel para comermos alguma coisa'. Tudo bem. Mas, na verdade, ele estava no quarto. Pensei: "Você está de brincadeira comigo?"', escreveu a atriz, que em 2014 estrelou o filme "Divergente".

"Eu tinha trabalhado a noite toda e pedi cereais. Cheguei a esse estágio. Foi tão nojento. Ele tentou me seduzir dizendo: 'Me ajude a escolher o que vestir'. Aconteceu muita coisa entre minha entrada e a negociação. Havia todo um processo de barganha: 'Venha fazer isso, venha fazer aquilo'. E eu dizia: 'não, não e não'."

"Tenho a sensação de que, se isso for para a internet e as pessoas tiverem a oportunidade de comentar, muitos vão perguntar: "Por que você não saiu do quarto?", culpando a vítima. Quando eu não parava de dizer 'não' a tudo, havia uma enorme assimetria de poder e controle."

Nas palavras de Ashley, apenas posteriormente ela viria a descobrir que a mesma situação embaraçosa já havia acontecido com outras atrizes e até atores. "Soará familiar a todas que passaram por isso. Tenho a sensação de que somos uma legião. Eu estava em um café uma vez com um grupo de atores, e foi crítico porque também havia homens. E a mesma coisa havia ocorrido com eles por parte do mesmo magnata", afirmou.

"A última coisa que ele disse quando eu estava tentando me livrar de tudo aquilo foi: "Você vai me ver tomar um banho?". Nesse momento, todas as outras mulheres sentadas à mesa comigo disseram: "Oh, meu Deus, isso é o que ele disse a mim também."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Cinema - Imagens
redetv
redetv
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
Reuters
Reuters
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Topo