Filmes e séries

"Blockbuster" argentino faz plateia americana se identificar pela violência

Reprodução
Cena de "O Clã", do diretor Pablo Trapero Imagem: Reprodução

James Cimino

Colaboração para o UOL, em Los Angeles (EUA)

12/11/2015 17h34

“Eu fiquei aliviada de ver que esse tipo de violência ‘logo ao lado’ não é uma coisa só americana, como costumamos ver em nosso cinema.” Foi assim que publicitária Joanna Younger avaliou o campeão de bilheteria argentino “O Clã” após sua pré-estreia no AFI Fest (American Film Institute Festival), na última semana, em Los Angeles. “Agora eu preciso urgentemente de uma comédia!”, completou aos risos.

O choque e o alívio demonstrado por vários dos espectadores americanos presentes à sessão são perfeitamente compreensíveis. O filme, que é dos mesmos produtores de “Relatos Selvagens”, conta a história real dos Puccio, que, na verdade, não era apenas uma família, mas uma quadrilha que ganhava dinheiro sequestrando e matando pessoas no período de transição entre a ditadura militar argentina e o retorno do regime democrático.

Entre os anos de 1982 e 1985, eles chocaram os argentinos quando vieram a público as histórias do sequestro seguido de morte de três pessoas, mesmo após o pagamento do resgate.

O que mais choca é que as três primeiras vítimas eram pessoas conhecidas dos Puccio, especialmente do filho mais velho. O promissor jogador de rúgbi Alejandro Puccio servia como informante do pai, que praticava os sequestros e os assassinatos em companhia de dois cúmplices (e mais tarde com outro de seus filhos).

Para ator Peter Lanzani, que interpreta Alejandro, o filme tem feito muito sucesso em outros países devido a seu teor universal. “Creio que este filme faz sucesso porque é uma história que poderia ter acontecido em qualquer país. E do ponto de vista da música, da fotografia, dos atores, é um filme que imprime uma intensidade muito grande, que transcende as fronteiras nacionais. E, pessoalmente, eu acho que lembra muito os filmes do Martin Scorcese.”

O pai, Arquímedes Puccio (em uma interpretação assustadora do ator Guillermo Francella), era uma figura que, no Brasil, chamamos de “viúva da ditadura”. Ex-militar, agia impunemente durante o período de repressão, sob as vistas grossas da polícia e de seus companheiros de farda.

Assista ao trailer original do filme, em espanhol

Conhecido como o “velho da vassoura”, ele passava o dia e, algumas vezes, as noites varrendo a calçada em frente a sua loja de artigos esportivos, que servia de fachada para o verdadeiro negócio familiar. Fazia isso, segundo relatos da época, para abafar o choro dos reféns.

O conflito principal do longa, no entanto, é a relação de Arquímedes com o filho mais velho, de quem menosprezava o talento para o esporte, no intuito de fazê-lo crer que o crime era um negócio de família que deveria ser perpetuado. Mas nem a coerção do pai, nem o dinheiro dos sequestros poupou o filho da loucura. Quando foram descobertos, tentou matar-se quatro vezes.

“Foi muito complexo [de criar esse personagem]", diz Lanzani. "Tivemos contato com um monte de gente que os conhecia para termos diferentes pontos de vista para montar o perfil psicológico de Alejandro. Ele tinha uma dualidade interior muito grande. Por um lado sabia que o que fazia era errado, mas também era uma pessoa muito ambiciosa tanto por dinheiro quanto por poder”.

Em entrevista ao UOL, o diretor Pablo Trapero conta que já faz muitos anos que queria filmar essa história, mas que lhe sobravam informações policiais e lhe faltavam as histórias pessoais.

“Comecei a pesquisa em 2007, mas como não tinha qualquer declaração da família, era como se fosse uma lenda urbana. E eu queria fazer um retrato da intimidade dessa família, especialmente a relação pai e filho. Então falamos com vizinhos, os colegas do rúgbi. Tentamos falar com a família, já que os amigos nos passaram os contatos deles, mas ninguém quis falar. O que percebi durante a pesquisa foi que o universo deles era tão fechado e eles gostavam tanto de pertencer a ele que aceitavam a loucura do pai”, conta Trapero.

O filme venceu o Leão de Prata no Festival de Veneza 2015, foi selecionado para representar seu país no Oscar 2016 e é campeão de bilheteria na Argentina, Uruguai e Chile. A estreia no Brasil deve ocorrer em dezembro, segundo o diretor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

AFP
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
EFE
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
EFE
do UOL
EFE
do UOL
TV e Famosos
do UOL
Topo