Filmes e séries

Curta de super-herói criado por brasileiro deve virar filme em Hollywood

Ramon Vitral

Colaboração para o UOL, em São Paulo

A aparição de um homem voando no céu da cidade canadense de Toronto mudou em definitivo a vida do cineasta brasiliense Marcus Alqueres. Dois anos após chamar atenção de fãs de super-heróis e de autoridades da milionária indústria de quadrinhos norte-americana com o curta "The Flying Man" (o homem voador, em tradução livre), o diretor brasileiro conseguiu um novo feito: os direitos de adaptação de seu misterioso personagem foram recentemente comprados pela gigante Sony.

O roteiro final de um longa-metragem inspirado no vídeo de nove minutos lançado em 2013 começou a ser concebido e será assinado pelo escritor e produtor Chris Collins, responsável por vários episódios das aclamadas séries de TV "The Wire" e "Sons of Anarchy". Se o filme realmente sair do papel, a ideia é que Alqueres assine a direção.

"Nesse meio tempo desenvolvemos a trama do longa. Durante pouco mais de um ano trabalhamos na versão que achávamos ideal para o filme. Depois meus agentes levaram para o mercado, até culminar com a oferta da Sony", conta ao UOL o cineasta de 37 anos, em relação ao período entre o lançamento do curta e a compra de direitos pelo estúdio norte-americano.

Reprodução/Facebook
O cineasta brasiliense Marcus Alqueres Imagem: Reprodução/Facebook

O curta, em inglês, narra o aparecimento de um misterioso homem voador em Toronto, no Canadá. Ele causa medo na população local quando começa a fisgar algumas pessoas e soltá-las para a morte em pleno voo. Nos instantes finais da produção são explicados alguns dos princípios do personagem.

Quando foi lançado na internet, em junho de 2013, "The Flying Man" foi elogiado por Joe Quesada, diretor criativo da Marvel e um dos responsáveis pela concepção do universo cinematográfico estrelado por Homem de Ferro, Capitão América, Thor e os demais Vingadores. 

Em seu primeiro mês online em 2013, "Flying Man" teve mais de 500 mil visualizações, sendo o primeiro blockbuster autoral do cineasta, que antes havia trabalhado em efeitos especiais de filmes como "300" (2006) e "As Aventuras de Tintim" (2011).

Filme em pré-produção

Também diretor de peças publicitárias para a produtora brasileira O2 Fimes, Alqueres conta que o filme está em período de pré-produção. "A negociação foi toda feita por agentes e advogados, tudo para garantir o melhor possível para essa nova etapa de desenvolvimento. No momento estou trabalhando criativamente com os executivos do estúdio e com o roteirista para melhorarmos o texto que temos".

Caso o longa venha a ser filmado, Alqueres estará trilhando passos já percorridos por diretores como o sul-africano Neill Blomkamp (de "Distrito 9" e "Elysium") e Feder Alvarez ("A Morte do Demônio"), que dirigiram seus primeiros longas após o sucesso de produções de curta duração disponíveis online.

Blomkamp chamou atenção de Hollywood quando lançou "Alive em Joburg", ficção científica com sinopse semelhante a "Distrito 9" (2009). Já o uruguaio Alvarez virou xodó do cineasta Sam Raimi após o impressionante "Ataque de Pânico!" (2009), que mostra Montevidéu sendo destruída por robôs gigantes. Os dois filmes têm menos de seis minutos.

Super-herói exclusivo

O anúncio da compra dos direitos do herói criado por Alqueres acontece poucos meses antes da estreia do Homem-Aranha no universo cinematográfico da Marvel, em "Capitão América 3: Guerra Civil". Antes com os direitos exclusivos da Sony no cinema, o alter-ego de Peter Parker teve a guarda compartilhada com a editora para que ambas pudessem usufruir ainda mais da rentabilidade do personagem.

Assim, o homem voador passaria a ser o único super-herói exclusivo da empresa. "Todos os estúdios estão sempre a procura de ideias que resultariam em um filme interessante e o 'Flying Man', vindo de uma recepção boa do público, com certeza gera um interesse maior nos produtores e executivos", diz o diretor.

As muitas nuances e contradições do misterioso "Flying Man" também podem ter sido um atrativo. As estratégias violentas do herói para limpar sua cidade de criminosos ecoam alguns debates recentes sobre até onde vai o papel da polícia e da segurança pública na sociedade moderna.

O personagem também é contemporâneo do Super-Homem do diretor Zack Snyder, que optou por matar o general Zod no embate final de "O Homem de Aço" (2013), algo inimaginável para o herói kryptoniano em outros tempos.

"Nos quadrinhos, os super-heróis sempre foram uma projeção do que uma sociedade considera heroico em determinado momento de sua história. O termo 'herói' também sofre bastante distorção dependendo de cada pessoa e do local no qual ele é expresso. A ideia do filme é explorar a reação da sociedade quando um elemento disruptivo, que seria o Flying Man, começa a limpar uma cidade do jeito dele, o que isso realmente causaria. No final, sempre terão os que apoiam e os que condenam. A ideia é apresentar os fatos e deixar a audiência debater a respeito", instiga Alqueres.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Blog do Barcinski
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Topo