PUBLICIDADE
Topo

Eterno Willy Wonka, ator Gene Wilder morre aos 83 anos

Do UOL, em São Paulo

29/08/2016 16h34

O ator americano Gene Wilder, ator que interpretou Willy Wonka no clássico "A Fantástica Fábrica de Chocolate" (1971), morreu aos 83 anos em Stamford, no Estado de Connecticut. A informação foi confirmada pela agência de notícias Associated Press nesta segunda-feira (29).

Segundo a imprensa americana, a morte está relacionada a complicações decorrentes do Alzheimer, doença que escondeu do público nos últimos anos.

Natural de Milwauke, Gene, cujo nome de batismo era Jerome Silberman, ficou conhecido mundialmente por atuar em diversos filmes do diretor Mel Brooks e em comédias ao lado do humorista Richard Pryor.

Chegou a ser indicado duas vezes ao Oscar, por "Primavera Para Hitler" (1967) e "O Jovem Frankenstein" (1974). Ao Globo de Ouro foi nomeado por "O Expresso de Chicago" (1976) e "A Fantástica Fábrica de Chocolate" (1971).

Este último, baseado no livro de Roald Dahl e dirigido por Mel Stuart, lhe rendeu seu personagem mais célebre, o insano dono da fábrica de chocolates Willy Wonka, que em 2005 seria interpretado por Johnny Depp em remake conduzido por Tim Burton.

No Brasil, o ator chegou ao auge da popularidade ao estrelar a comédia "Cegos, Surdos e Loucos" (1989), vivendo um homem surdo que se envolve em um hilário enredo de crime após empregar um homem cego (Pryor).

Além de ator, Wilder também era produtor, roteirista e diretor. Esteve à frente de vários filmes, como a comédia romântica "A Dama de Vermelho" (1984), que venceu um Oscar e um Globo de Ouro de melhor canção original, por "I Just Called to Say I Love You", de Stevie Wonder.

Em 1998, ele chegou a ganhar um Emmy de melhor ator convidado em série de comédia, após participar de "Will & Grace".

Multitalentos, Wilder era também um elogiado cantor no teatro, tendo atuado em vários musicais da Broadway nos anos 1960, antes de migrar para o cinema. Entre eles "Mãe Coragem e Seus Filhos" e "Um Estranho no Ninho".

Sua terceira mulher, a atriz Gilda Radner, foi vítima de um câncer no ovário em 1989, o que levou Gene a se envolver ativamente em campanhas pela prevenção da doença e ajudando a fundar um centro de diagnóstico em Los Angeles. 

"Um dos verdadeiros grandes talentos dos nossos tempos. Ele abençoou cada filme que fizemos com sua mágica e me abençoou com sua amizade", escreveu Mel Brooks em sua conta no Twitter.