PUBLICIDADE
Topo

"Aquarius", José Aldo e comédia com Ximenes disputam indicação ao Oscar

Do UOL, em São Paulo

05/09/2016 14h19

Dezesseis longas-metragens estão na disputa para ser o representante brasileiro na briga por uma vaga entre os indicados ao Oscar 2017, entre eles "Aquarius", de Kleber Mendonça Filho, "Nise - O Coração da Loucura", de Roberto Berliner, "Chatô - O Rei do Brasil", de Guilherme Fontes, e "O Roubo da Taça", de Caito Ortiz, que estreia nesta quinta-feira (8).

Que filme deveria representar o Brasil na disputa por uma indicação ao Oscar 2017?

Enquete encerrada

Total de 11609 votos
51,62%
28,98%
7,40%
4,09%
1,72%
1,40%
0,85%
0,81%
0,71%
0,69%
0,68%
0,51%
0,19%
0,18%
0,09%
0,07%
0,03%
Total de 11609 votos

Concorrem ainda filmes de gêneros diversos, como o drama “A Despedida”, de Marcelo Galvão, o documentário “Menino 23: Infâncias Perdidas no Brasil”, de José Belisario Cabo Penna Franca, a comédia “Uma Loucura de Mulher”, de Marcus Ligocki, e a cinebiografia do lutador de MMA José Aldo, "Mais Forte que o Mundo".

Pelo menos três diretores retiraram seus filmes da lista, após polêmica com a comissão especial do Oscar, que anunciará o representante no próximo dia 12.

“Mãe Só Há Uma”, de Anna Muylaert, “Boi Neon”, de Gabriel Mascaro, e “Para Minha Amada Morte”, de Aly Muritiba, não foram inscritos como forma de protesto contra a presença do crítico Marcos Petrucelli na comissão. O jurado criticou as manifestações políticas realizadas no Festival de Cannes pela equipe de “Aquarius” – tido como favorito na disputa.

A polêmica fez com que a atriz Ingra Liberato e o cineasta Guilherme Fiúza Zenha desistissem de participar da comissão, agora formada por Adriana Scorzelli Rattes; Luiz Alberto Rodrigues; George Torquato Firmeza; Marcos Petrucelli; Paulo de Tarso Basto Menelau; Silvia Maria Sachs Rabello;  Sylvia Regina Bahiense Naves; Carla Camurati e Bruno Barreto.

O ministro da Cultura Marcelo Calero – alvo de protestos desde que assumiu interinamente a pasta –, informou em nota que tem confiança na “isenção e na capacidade” da comissão. “Será um trabalho difícil, pois a safra de filmes brasileiros está excelente", afirmou.

Em toda a história da Academia, o Brasil conquistou apenas quatro indicações para melhor filme estrangeiro. A última nomeação aconteceu em 1999, com “Central do Brasil”, de Walter Salles.

No ano passado, a animação “O Menino e o Mundo” conquistou a inédita indicação ao prêmio de melhor animação, mas perdeu para “Divertida Mente”.

Confira os filmes inscritos:

"A Despedida", de Marcelo Galvão
"Mais Forte que o Mundo", de Afonso Poyart
"O Outro Lado do Paraíso", de André Ristum
"Pequeno Segredo", de David Schurmann
"Chatô – O Rei do Brasil", de Guilherme Fontes
"Uma Loucura de Mulher", de Marcus Ligocki Júnior
"Aquarius", de Kleber Mendonça Filho
"Nise – O Coração da Loucura", de Roberto Berliner
"Vidas Partidas", de Marcos Schetchman
"O Começo da Vida", de Estela Renner
"Menino 23: Infâncias Perdidas no Brasil", de José Belisario Cabo Penna Franca
"Tudo que Aprendemos Juntos", de Sérgio Machado
"Campo Grande", de Sandra Kogut
"A Bruta Flor do Querer", de Andradina Azevedo e Dida Andrade
"Até que a Casa Caia", de Mauro Giuntini
"O Roubo da Taça", de Caito Ortiz

* Um dos inscritos, o filme “A Hora e a Vez de Augusto Matraga” foi inabilitado por ter sido lançado fora do período exigido pela academia norte-americana, de 1° de outubro de 2015 a 30 de setembro de 2016.