PUBLICIDADE
Topo

Verdadeiro edifício Aquarius tem sua própria Clara e assédio de construtora

Mateus Araújo

Colaboração para o UOL, no Recife

21/09/2016 11h25

Destoante entre tantos espigões vizinhos, o edifício Oceania, na orla do Pina, zona Sul do Recife, chama a atenção de quem passa pelo charme saudosista de sua arquitetura. Símbolo de resistência à especulação imobiliária na avenida Boa Viagem, cartão-postal da cidade, o prédio agora ganhou uma nova fama: é o Aquarius da vida real.

Construído em 1952, o edifício foi usado nas gravações do filme "Aquarius" de Kleber Mendonça Filho, e é onde fica a casa de Clara, personagem vivida por Sonia Braga. Projeto do engenheiro-arquiteto Hugo Marques, é um dos últimos representantes de uma geração de edifícios projetados e construídos naquela região, que não repetem os padrões tão comuns aos prédios modernos da vizinhança. 

O Oceania tem 18 apartamentos, dois por andar, divididos em três blocos. "É um prédio antigo, sem conforto, em que precisamos, às vezes, lidar com infiltração e problemas de parte elétrica. Mas é um lugar aconchegante, espaçoso, que nos faz sentir morando numa casa. Não tem tanto glamour, mas não troco ele por nada", explica a figurinista Chris Garrido, que mora no imóvel há sete anos.

Foi justamente esse sentimento de acolhimento e casa de veraneio do Oceania que fizeram a jornalista Flávia de Gusmão se apaixonar por ele. Há oito anos, ela se mudou para o local realizando um sonho de infância. "Certo dia, uma amiga que morava lá me avisou que o apartamento de cima ia vagar. Não estava pensando em me mudar, mas empacotei tudo imediatamente e fiz a mudança", lembra. "Fui a primeira a ligar para me candidatar, antes mesmo de o corretor colocar o aviso de 'aluga-se'. Sempre que passava em frente a ele, pensava: 'Eu ainda vou morar aí'. E assim foi, aos 45 anos de idade."

Oceania - Beto Figueiroa/UOL - Beto Figueiroa/UOL
Aronita Rosenblatttem uma trajetória parecida com a de Clara (Sonia Braga): mora no Oceania há 42 anos e criou seus dois filhos ali
Imagem: Beto Figueiroa/UOL

Em "Aquarius", o apartamento de Flávia virou a casa de Clara na primeira fase do filme, contextualizada na juventude da personagem. "Kleber já havia conversado comigo antes sobre gravar um filme lá no prédio. Eu e ele trabalhamos juntos e nos conhecíamos há anos", diz a jornalista. "Finalmente, quando tudo estava certo, sentamos na minha varanda, eu, ele, Emilie (Lesclaux, produtora do longa-metragem e mulher de Kléber) e a minha vizinha Aronita Rosenblatt, para ouvir os planos em detalhes. Subimos imediatamente a bordo do projeto e fizemos a ponte com o condomínio."

A verdadeira Clara

A maior parte das cenas do filme, já no presente da protagonista, foi gravada no apartamento de Aronita, cuja história de vida se parece bastante com a de Clara. Moradora do Oceania há 42 anos, a professora universitária viu seus dois filhos crescerem naquele lugar, hoje um baú de memória afetiva, de onde também acompanhou o surgimento do paredão de edifícios gigantescos em frente ao mar de Boa Viagem.

"Esse apartamento foi comprado por meu pai. Na época, nossa família vinha para cá para passar o verão. Mas eles não gostavam do barulho dos carros que passavam por aqui", explica a moradora. "Anos depois, quando casei, decidi morar nele. E estou até hoje. E não saio dele pela qualidade de vida e o conforto que tenho aqui. Veja só: estou conversando com você deitada na minha cama, olhando para o mar e sentindo a brisa da praia. Não é incrível?", acrescenta.

Se no longa de Mendonça Filho, uma construtora quer derrubar o Aquarius para construir um novo prédio no local, na vida real a história, de certo modo, já foi semelhante. Há 13 anos, uma empresa do ramo imobiliário tentou negociar com os moradores do Oceania e erguer ali uma torre de 33 andares. Por não concordar com a ideia, Aronita resistiu.

"Sou uma das poucas proprietárias que mora no prédio. A maioria dos 18 apartamentos é ocupada por inquilinos. E desde 2003, quando a construtora comprou quatro apartamentos aqui, entramos com um pedido de tombamento do Oceania, mas o Conselho de Cultura do Estado, que avalia o pedido, negou. Na época, alguns arquitetos da empresa defenderam que não havia motivo arquitetônico para o tombamento", lembra a professora, que se nega a vender sua casa. O projeto acabou engavetado.

Apesar das semelhanças, não foi nem a história de Aronita nem do Oceania, especificamente, que inspiraram "Aquarius". Em diversas entrevistas, o diretor Kleber Mendonça Filho contou que pensou em outro edifício quando começou a desenvolver o filme, o Caiçara, também em Boa Viagem, que foi parcialmente demolido em 2013.

As gravações e a repercussão

Durante as semanas de gravação de "Aquarius", em agosto e setembro do ano passado, Flávia de Gusmão e Aronita Rosenblatt precisaram se mudar dos seus apartamentos. "A produção nos deslocou para um flat nas imediações. Quando Sonia chegou, Kleber fez questão de levar a mim e a Aronita para um café com ela. Uma mulher linda, elegante, franca e assertiva. Realmente, uma Clara", conta Flávia.

Com a repercussão do filme, e antes mesmo da estreia dele, o Oceania se transformou aos poucos em uma espécie de ponto turístico de Boa Viagem. "Hoje muita gente aponta e para na frente dele, só para olhar ou tirar foto", diz a jornalista. "Já acordei de manhã, de pijama e descabelada na varanda, e alguém gritou bem animado: 'Sonia!'. Outro dia, estavam dois rapazes tirando foto da fachada e, com o entusiasmo demonstrado, eu terminei por abrir meu apartamento e deixar que fizessem a foto na varanda de Clara."

Aronita chegou a frequentar os sets de filmagem e fez figuração em uma das cenas do filme. "Eu terminei aparecendo numa cena de um baile que tem no filme", diz ela, que ainda teve alguns móveis de casa usados na cenografia do longa-metragem, como o piano tocado por Clara.

Urbanismo

Os moradores do Oceania contrários à proposta de derrubá-lo acreditam que a fama de "Aquarius" serve também para proteger o prédio. "É uma forma de tombamento não-oficial. Depois do filme acho muito pouco provável destruí-lo", espera Aronita.

Para Luiz Amorim, arquiteto e professor da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), ao colocar o edifício como "ator", o filme de Kleber Mendonça Filho reverbera um conflito comum das cidades brasileiras atuais: os choques entre poder econômico e preservação do patrimônio. Segundo Amorim, o longa "contribui para fortalecer as batalhas cotidianas pelo direito à cidade."

Trailer do filme "Aquarius"

UOL Entretenimento