Globo de Ouro

Meryl Streep: "Se expulsarmos estrangeiros, só sobra futebol e MMA na TV"

Do UOL, em São Paulo

09/01/2017 02h30

Em uma noite marcada por críticas e até piadas sobre Donald Trump, presidente eleito dos Estados Unidos, a atriz Meryl Streep foi responsável por um dos momentos mais emocionantes do Globo de Ouro 2017.

Homenageada com o prêmio Cecil B. DeMille pelo conjunto de sua carreira, ela subiu ao palco para um discurso duro sobre a diversidade que Hollywood representa, a responsabilidade dos artistas e a irresponsabilidade do futuro mandatário do país mais poderoso do mundo.

"Obrigada, Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood. Vocês e todos nós nessa sala pertencemos aos segmentos mais vilanizados na sociedade americana hoje. Pensem nisso. Hollywood, estrangeiros e a imprensa. Mas quem somos nós? E o que é Hollywood? Só um bando de pessoas de outros lugares. Eu nasci, fui criada e educada nas escolas públicas de Nova Jersey; Viola nasceu em uma cabana em uma plantação na Carolina do Sul; Sarah Paulson nasceu na Flórida e foi criada por uma mãe solteira no Brooklyn", lembrou ela, com a voz quase sumindo, antes de citar outros artistas que vieram de partes diferentes do mundo, como Natalie Portman (Israel) e Ryan Gosling (Canadá).

E continuou, referindo-se aos planos de Trump de expulsar estrangeiros do país: "Hollywood está cheia de forasteiros e estrangeiros, e se expulsarmos todos eles, vocês não vão ter nada para assistir além de futebol americano e Artes Marciais Mistas (MMA), que, aliás, não são arte".

Em seguida, ela se referiu ainda mais diretamente a Trump. Leia o restante do discurso de Meryl, que ainda lembrou a morte de Carrie Fisher, e assista ao vídeo abaixo:

O único trabalho de um ator é entrar nas vidas de pessoas que são diferentes de nós e fazer vocês sentirem como é isso. E tivemos muitas interpretações poderosas esse ano que fizeram exatamente isso. Trabalhos de tirar o fôlego e cheios de compaixão. Mas houve uma interpretação esse ano que me deixou atordoada, afundou suas garras no meu coração, mas não porque fosse boa --não havia nada de bom nela. Mas foi eficaz e cumpriu sua função. Fez seu público-alvo rir e colocar as garras de fora. Foi aquele momento em que a pessoa pedindo para sentar no lugar mais respeitado do nosso país, imitou um repórter deficiente, alguém a quem ele [Trump] superava em privilégio, poder e capacidade de revidar. Partiu meu coração quando vi isso, e ainda não consegui tirar da minha cabeça, porque não era um filme.

E esse instinto para humilhar, quando é demonstrado por uma figura pública, por alguém poderoso, afeta as vidas de todo mundo, porque dá permissão para que outras pessoas façam o mesmo. Desrespeito convida a mais desrespeito, violência incita violência. Quando os poderosos usam sua posição para fazer bullying, nós todos perdemos.

O que me traz à imprensa. Precisamos que uma imprensa de princípios que cobre os poderosos, que os condene por cada ofensa. Foi para isso que nossos fundadores garantiram liberdade à imprensa em nossa Constituição. Então eu somente peço que a famosa e afluente Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood e todos em nossa comunidade para apoiar um comitê para apoiar jornalistas, porque vamos precisar deles agora e eles vão precisar de nós para proteger a verdade.

Uma vez em que eu estava no set, reclamando sobre algo como trabalhar na hora do jantar ou longas horas de filmagem, Tommy Lee Jones disse para mim: 'Não é um privilégio enorme, Meryl, ser ator?'. Sim, é, e temos que lembrar uns aos outros do privilégio e responsabilidade do ato de empatia. Devemos ficar muito orgulhosos do trabalho que Hollywood honra esta noite.

Como minha amiga, a querida falecida princesa Leia me disse uma vez: 'Pegue seu coração partido e transforme em arte'. Obrigada.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Entretenimento
TV e Famosos
Maurício Stycer
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
TV e Famosos
do UOL
Cinema
do UOL
UOL Entretenimento
TV e Famosos
TV e Famosos
do UOL
Maurício Stycer
TV e Famosos
TV e Famosos
TV e Famosos
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
UOL Cinema
UOL Cinema - EFE
AFP
UOL Cinema
UOL Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema
do UOL

do UOL

"Fargo" e "True Detective" lideram disputa de TV ao Globo de Ouro 2015

"Fargo" e "True Detective" lideram a disputa aos prêmios de TV do Globo de Ouro 2015, com cinco e quatro indicações, respectivamente. Os concorrentes da premiação foram anunciados nesta quinta-feira (11) , pelos atores Kate Beckinsale, Peter Krause, Paula Patton e Jeremy Piven. Nas categorias de cinema, "Boyhood", "Birdman" e "The Imitation Game" se destacaram. Destaques da premiação, "Fargo" e "True Detective" concorrem ao prêmio de melhor minissérie ou filme para a TV. E os dois programas conquistaram duas indicações cada para seus protagonistas na categoria de melhor ator em minissérie: Martin Freeman e Billy Bob Thorton concorrem por "Fargo", enquanto Matthew McConaughey e Woody Harrelson disputam por "True Detective". Esta edição do Globo de Ouro reconheceu várias atrações que estrearam nos Estados Unidos neste ano, como é o caso não só de "Fargo" e True Detective", mas também de "The Affair", "Jane the Virgin", "Transparent", "The Missing" e "How To Get Away With Murder". Não à toa, vários queridinhos da premiação ficaram de fora, como "The Big Bang Theory", "Modern Family" e "Mad Men". Surpreendeu a ausência da minissérie britânica "Sherlock" e de seu protagonista, Benedict Cumberbatch. O programa levou vários prêmios Emmy neste ano, incluindo o de melhor ator para Cumberbatch, e está entre os indicados ao SAG 2015.  O Netflix se saiu bem na disputa, com seis indicações no total, sendo três para "House of Cards" e três para "Orange Is The New Black", que havia recebido apenas uma indicação no ano anterior. No Globo de Ouro 2014, a série "Breaking Bad" e o telefime "Behind The Candelabra" se destacaram, com dois prêmios cada. A 72ª edição da premiação acontecerá no dia 11 de janeiro. A cerimônia será apresentada pelas atrizes Tina Fey e Amy Poehler, pela terceira vez consecutiva.

do UOL
UOL Cinema - EFE
Topo