Filmes e séries

Cannes: Um ano após polêmica, diretor de "Aquarius" presidirá júri paralelo

REUTERS/Yves Herman
17.mai.2016 - Equipe do filme brasileiro "Aquarius", que disputa a Palma de Ouro em Cannes, protesta conta o impeachment com faixas e dizeres: "Pare o golpe no Brasil" e "Vamos resistir" Imagem: REUTERS/Yves Herman

Do UOL, em São Paulo*

16/03/2017 12h15Atualizada em 16/03/2017 20h32

O diretor brasileiro Kleber Mendonça Filho vai presidir o júri da Semana da Crítica no Festival de Cannes em 2017, anunciaram nesta quinta-feira (16) os organizadores em um comunicado.

A 56ª edição da Semana da Crítica, mostra paralela do Festival de Cannes consagrada à descoberta de novos talentos, acontecerá entre 18 e 26 de maio. Sua seleção será anunciada no final de abril.

O cineasta foi ao evento ano passado para apresentar o filme "Aquarius", que concorreu ao prêmio Palma de Ouro, entregue para a melhor produção do festival. Além do pernambucano, a produtora Diana Bustamante Escobar, o jornalista Eric Kohn, a diretora do Metropolis Art Cinema Hania Mroué e o ator Niels Schneider completam o júri. 

A Semana da Crítica é uma mostra paralela do Festival de Cannes, reunindo sete filmes que entrarão na disputa pelas estatuetas de "Melhor Filme" e "Revelação". Os curtas-metragens não serão deixados de lado e concorrem ao troféu de "Descoberta". Este prêmio revelou no passado cineastas como os mexicanos Guillermo del Toro e Alejandro González Iñárritu, além do argentino Santiago Mitre.

O 70º Festival de Cannes acontecerá entre 17 e 28 de maio. O júri dessa competição será presidido pelo diretor Pedro Almodóvar.

Polêmica em "Aquarius"

A sessão de gala do filme brasileiro em Cannes foi marcado por protestos contra o governo do então presidente interino Michel Temer. No tapete vermelho, o cineasta e os atores, incluindo Sônia Braga, que renasceu para as telonas após o projeto, mostraram placas com com os dizeres "Brasil vive um golpe de Estado", "54.501. 118 votos desprezados", "O mundo não precisa aceitar um governo ilegítimo" e "Dilma, vamos resistir com você".

Um dos presentes abriu a camisa para deixar à mostra uma camiseta com a frase "Super Dilma", em referência à Dilma Rousseff, afastada em maio de 2016 de seu cargo no âmbito da abertura de um julgamento de impeachment.

Jornalistas que acompanhavam a sessão aplaudiram a manifestação em apoio. "Aquarius" foi elogiado no evento, mas perdeu a Palma de Ouro para "Eu, Daniel Blake".

Críticas

Marcelo Calero, Ministro da Cultura do governo Temer no último ano, criticou na época o protesto feito pela equipe do filme. Após alguns dias, Sônia Braga o rebateu em carta aberta publicada no Facebook.

"Como pode um Ministro dizer que um ato democrático como o nosso é a representação de um país inteiro? Isso é desconhecimento do que significa plena democracia. Se estivéssemos falando em nome de todos não precisaríamos, evidentemente, fazer o ato", escreveu.

O filme passou por nova polêmica após não ser escolhido como representante brasileiro ao Oscar, apesar da própria "Variety" apontar a brasileira como uma possível concorrente ao prêmio de "Melhor Atriz".

Em agosto do ano passado, Kleber Mendonça Filho disse não estar surpreso com o filme fora do Oscar e apontou que a escolha por "Pequeno Segredo", do diretor David Schurmann, foi "em total sintonia com a realidade política do Brasil".

*com informações da AFP

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
Topo