PUBLICIDADE
Topo

Após fiasco, Oscar terá auditor extra, novo envelope e proibição a celular

Trapalhada! Warren Beatty leu o envelope errado, anunciou "La La Land" como melhor filme, mas pouco tempo depois, voltou atrás e confirmou "Moonlight", de Barry Jenkins, como o vencedor do Oscar de melhor filme -  REUTERS/Lucy Nicholson
Trapalhada! Warren Beatty leu o envelope errado, anunciou "La La Land" como melhor filme, mas pouco tempo depois, voltou atrás e confirmou "Moonlight", de Barry Jenkins, como o vencedor do Oscar de melhor filme Imagem: REUTERS/Lucy Nicholson

Do UOL, em São Paulo

29/03/2017 17h17

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood renovou neste terça (29), em reunião com a empresa de consultoria PricewaterhouseCoopers, seus procedimentos para evitar a repetição da desastrosa entrega do Oscar de melhor filme este ano, quando "La La Land" foi anunciado equivocadamente no lugar de "Moonlight". A informação é do site da revista "Variety".

Entre os novos protocolos acertados está a inclusão de um terceiro auditor na ala de controle da cerimônia, que vai confirmar os vencedores com antecedência e será capaz de alertar o diretor do prêmio em caso de erro.

Até este ano, apenas dois funcionários da empresa ficavam encarregados de tabular os votos e distribuir os envelopes. Já havia sido acertado que os auditores Brian Cullinan e Martha Ruiz, que participaram da edição deste ano, não voltarão a trabalhar no Oscar.

Também a partir do ano que vem, a Academia proibirá o uso de dispositivos eletrônicos nos bastidores, já que Cullinan estava tuitando no celular momentos antes de passar ao apresentador Warren Beatty o envelope do prêmio de melhor atriz, que já havia sido entregue, em vez do de melhor filme.

A PwC também trará de volta à cerimônia Rick Rosas, que foi um dos auditores das votações de 2002 a 2014. A Academia também confirmou que irá melhorar a identificação das categorias nos envelopes prêmios, para evitar possíveis erros na leitura.

Uma das mais tradicionais empresas de auditoria dos Estados Unidos, a PricewaterhouseCoopers trabalha no Oscar há 83 anos. A empresa também faz a prestação de contas e outras auditorias para a Academia.