Filmes e séries

Diretor de "O Silêncio dos Inocentes", Jonathan Demme morre aos 73 anos

AFP PHOTO / DAMIEN MEYER
Jonathan Demme apresenta "O Casamento de Rachel" no Festival de Veneza em 2008 Imagem: AFP PHOTO / DAMIEN MEYER

Do UOL, em São Paulo

26/04/2017 12h06

Diretor de um dos clássicos do suspense, “O Silêncio dos Inocentes”, Jonathan Demme morreu na manhã desta quarta-feira (26) em Nova York. O cineasta americano tinha 73 anos. Segundo o site "Variety", a causa da morte foi um câncer no esôfago e complicações de doenças cardíacas.

Demme tratava da doença desde 2010, mas sua saúde ficou mais debilitada a partir de 2015, o que não o impediu de trabalhar em novos projetos com Meryl Streep, em "Ricki and the Flash: De Volta pra Casa", no mesmo ano, e com Justin Timberlake no documentário musical "Justin Timberlake + The Tennessee Kids" em 2016. Seu último filme, sobre a turnê do cantor, é uma produção exclusiva Netflix.

Trailer de "O Silêncio dos Inocentes"

 

Suspense siderou plateias

A carreira do cineasta foi marcada por uma produção criativa e extremamente versátil, que atingiu sucesso comercial com as comédias dos anos 1980, como “Melvin e Howard” e “Totalmente Selvagem”, e aval da crítica, sobretudo musical, com o registro do show da banda Talking Heads, “Stop Making Sense”.

Mas foi com a história do psicopata canibal Hannibal Lector (Anthony Hopkins) e da jovem detetive Clarice Starling (Jodie Foster) que Demme chegou ao patamar dos grandes diretores.

O impacto do suspense deixou as plateias sideradas e, com o passar dos anos, “O Silêncio dos Inocentes” se tornou uma das obras mais emblemáticas dos anos 1990. Com tanto sucesso, o filme conquistou os cinco principais Oscars em 1991, incluindo o de melhor filme e diretor, algo raro na história da premiação.

Dois anos mais tarde, o diretor ganharia o mesmo prestígio com o drama “Filadélfia”, uma das primeiras produções hollywoodianas a abordar diretamente questões ligadas a HIV e a homofobia. O filme deu a Tom Hanks seu primeiro Oscar de melhor ator. 

Anos mais tarde, com "O Casamento de Rachel", ganhou elogios no Festival de Veneza de 2008 e foi responsável pela primeira indicação de Anne Hathaway na categoria de melhor atriz.

Reprodução
"Filadélfia" (1993): Hanks ganhou o primeiro Oscar por seu personagem soropositivo Andrew Beckett Imagem: Reprodução

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
Topo