Filmes e séries

Sangue, suor e corrupção transformam "O Rastro" em terror tropical político

Renata Nogueira

Do UOL, em São Paulo

18/05/2017 04h00

Os produtores gringos viram e acharam que aquilo era recurso de ficção. Como um hospital usa ventiladores e não um sistema de ar condicionado? Mas o cenário pano de fundo do terror nacional "O Rastro", que estreia nesta quinta-feira (18), é uma pequena parte da realidade bem mais complexa do sistema de saúde público do Rio de Janeiro.

O filme, que surgiu da ideia de colocar "Leandra Leal deitada em uma poça de sangue", acabou ganhando novos contornos durante os oito anos que levou para sair do papel. A ideia inicial era filmar em uma casa abandonada no interior de Minas Gerais, mas o terror se nacionalizou justamente depois de vários laboratórios internacionais, que fizeram nascer a ideia de terror tropical político.

Para não perder suas referências clássicas, como os filmes de Stanley Kubrick (principalmente "O Iluminado") e M. Night Shyamalan, o diretor J. C. Feyer apostou na fotografia fria para "fugir da paleta colorida do Brasil" e no som alto em momentos tensos. "O som é 40% do sucesso de um filme de terror", acredita. 

Já o suor surge praticamente em dupla com o sangue, quase um personagem extra de qualquer terror que se preze, e dá a cara da realidade do Brasil ao filme. "A ideia era incomodar visualmente com o suor. Não tínhamos muito recurso para a fotografia então nos aproveitamos disso. As pessoas suando e morrendo nos hospitais. Junta o terror psicológico com o sistema de saúde e temos um terror monstro", explica o diretor.

Trama médica e política

Quem também reforça a alcunha de terror tropical político é uma das protagonistas, Leandra Leal. "O filme se apropria de uma realidade que por si só já é um terror", explica a atriz. Ela é Leila, mulher de João, o médico responsável por realizar a transferência dos últimos pacientes de um hospital no Rio atolado em dívidas e problemas de infraestrutura, que mais para frente se revelam muito mais profundos. A partir daí temas ligados ao poder e à corrupção começam a ganhar força e dão a cara da realidade ao terror com uma pitada de sobrenatural.

Com a premissa do sumiço de uma das pacientes durante a transferência, o outro protagonista, interpretado por Rafael Cardoso, começa uma verdadeira saga atrás da menina Júlia. Afundado em sua própria paranoia, o médico descobre mais do que deveria. Em sua viagem real e psicológica, acaba levando junto Leila, sua mulher que está grávida do primeiro filho do casal. "Confesso que fiquei receosa com o roteiro. É um pouco 'Game of Thrones', mas como espectadora me agradou", diz Leandra.

Com um roteiro que capricha nas viradas --outra jogada clássica dos filmes de terror-- ganham espaço também os personagens de Jonas Bloch, o médico Heitor, mentor de João e padrinho de casamento dele e de Leila, e a médica chefe da UTI Olívia, papel de Claudia Abreu. 

Terror nacional vende ingresso?

Divulgação
A atriz Leandra Leal em cena de "O Rastro" Imagem: Divulgação

"O Rastro" chega aos cinemas nesta quinta-feira (18) com a missão de convencer o público a pagar ingresso para ver um filme de terror nacional. "Dados mostram que são 12 mil pagantes contra 750 mil pagantes de filme internacional. É um desafio fazer bilheteria. Os brasileiros gostam de filme de terror, mas não filme de terror nacional", observa o diretor J.C. Feyer.

Para o protagonista Rafael Cardoso o filme tem condições de mudar a visão do público sobre as produções nacionais do gênero. "Ainda tem uma imagem muito forte dos filmes de Zé do Caixão. Estamos em outro momento e temos condições de fazer qualquer tipo de cinema e deixar ele mais plural", acredita o ator de 31 anos.

A produtora Malu Miranda relembra o início do projeto, em 2009, junto com a comédia "Mato Sem Cachorro", que chegou aos cinemas em 2013, quase quatro anos antes de "O Rastro". "Tinha dois filmes ao mesmo tempo, uma comédia e um terror, e vi um arrecadar o dobro do dinheiro em menos da metade do tempo. As empresas querem passar uma imagem boa, feliz. Foi muito difícil."

A ideia de usar um hospital abandonado real como locação (Beneficência Portuguesa, no Rio de Janeiro) diminuiu muito os custos de produção. A iluminação mais escura e fria também gerou uma boa economia. Nenhum refletor foi usado. O diretor de fotografia abusou de luzes do próprio cenário, pequenos leds e luzes de postes e de celulares.

Além da estreia no Brasil, "O Rastro" também vai ser exibido em cinemas nos Estados Unidos. Seguindo a fórmula terror tropical político, a equipe agora trabalha para vender o filme ao resto do mundo no Festival de Cannes, que vai até 28 de maio.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
Topo