Filmes e séries

"Pai" do cinema zumbi, George Romero morre aos 77 anos

AP Photo/Amy Sancetta
George Romero sedimentou na cultura pop a figura dos zumbis Imagem: AP Photo/Amy Sancetta

Do UOL, em São Paulo

16/07/2017 19h05

Morreu neste domingo (16) George Romero, considerado "pai" do cinema zumbi. Diretor de "A Noite dos Mortos-Vivos" (1968) e outros filmes do gênero, o cineasta tinha 77 anos e lutava contra um câncer de pulmão. Segundo o empresário de George Romero, Chris Roe, o cineasta morreu "em paz enquanto dormia".

"Ele morreu em paz enquanto dormia, depois de uma batalha curta mas agressiva contra um câncer de pulmão, e deixa para trás uma família amorosa, muitos amigos e um legado cinematográfico que continuará firme ao longo do tempo", declarou o agente de Romero ao site da revista norte-americana "Variety".

George Andrew Romero nasceu em 4 de fevereiro de 1940, em Nova York (EUA) e começou a carreira audiovisual dirigindo curtas-metragens e comerciais. No final dos anos 60, fundou uma produtora com os amigos John Russo, Russell Streiner, Karl Hardman e Marilyn Eastman.

"A Noite dos Mortos-Vivos"

Reprodução
"A Noite dos Mortos-Vivos" (1968) Imagem: Reprodução
Em 1968, George Romero lançou o primeiro longa-metragem da produtora, "A Noite dos Mortos-Vivos" ("Night of the Living Dead"), com orçamento de 114 mil dólares. O filme fez enorme sucesso e arrecadou mais de 30 milhões de dólares.

Com recursos escassos e efeitos especiais simples, "A Noite dos Mortos-Vivos" tornou-se referência "cult" e impulsionou a temática do "apocalipse zumbi" no cinema.

Filmado em preto e branco, "A Noite dos Mortos-Vivos" contava a história de grupo de pessoas presas em uma fazenda na Pensilvânia que caem em uma fossa de zumbis e tentam sobreviver. Lançado durante a Guerra do Vietnã, no auge da contracultura, o filme foi interpretado como uma crítica ao capitalismo.

Em 1990, a Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos incluiu "A Noite dos Mortos-Vivos" no Registro Nacional de Filmes por ser "historicamente, culturalmente e esteticamente importante".

Dez anos após "A Noite dos Mortos-Vivos", em 1978, Romero retornou ao gênero zumbi e lançou a sequência "Despertar dos Mortos" ("Dawn of the Dead"). Orçado em 1,5 milhão de dólares, o filme teve êxito ainda maior e faturou US$ 55 milhões.

O cineasta também assinou os longas "Creepshow - Show de Horrores" (1982), "Dia dos Mortos" (1985), "Comando Assassino" (1988), "A Metade Negra" (1993), "A Máscara do Terror" (2000), "Terra dos Mortos" (2005), "Diário dos Mortos" (2007) e "A Ilha dos Mortos" (2009).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
AFP
AFP
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
Topo