Filmes e séries

Como diretora de "Mulher-Maravilha" está fazendo uma revolução em Hollywood

Clay Enos/Warner Bros.
A diretora Patty Jenkins (dir.) com a atriz Gal Gadot no set de "Mulher-Maravilha" Imagem: Clay Enos/Warner Bros.

Natalia Engler

Do UOL, em São Paulo

24/08/2017 04h00

Desde pelo menos “Thelma & Louise”, em 1991, toda vez que um filme protagonizado por mulheres faz sucesso, a imprensa, as profissionais de cinema e todo o resto do mundo fica na expectativa de finalmente ver Hollywood abrir mais espaço para as mulheres. E todas as vezes as expectativas acabam em decepção.

A própria protagonista de “Thelma & Louise”, Geena Davis, que mantém um instituto para promover a igualdade de gênero na mídia, sempre demonstra esta frustração: “De tempos em tempos sai um filme que faz um grande sucesso e vem aquela onda: ‘Agora tudo será diferente’, mas não vemos isso nos números”, disse ela, em uma entrevista de 2016. E com razão: segundo estudo da Universidade de San Diego, no ano passado, só 29% dos 100 filmes de maior bilheteria nos EUA tinham mulheres como personagens principais.

Quando “Mulher-Maravilha” estreou em junho, depois de uma espera de 75 anos, as expectativas não poderiam ser mais altas. Seria ela finalmente a responsável por quebrar o “teto de vidro” de Hollywood, a cereja no bolo de um lento, mas gradual crescimento de filmes focados em mulheres?

Os números indicam que sim --o filme chegou à marca de US$ 800 milhões no mundo todo, batendo o recorde de maior bilheteria de um longa dirigido por uma mulher, e conseguiu atrair um público 50% feminino nos EUA, quando os longas de heróis em geral têm mais de 60% dos ingressos vendidos para homens.

Mesmo assim, considerando o histórico de Hollywood, ainda não é garantia de mudanças, já que a indústria várias vezes voltou a ser dominada pelos “meninos” depois de sucessos como “Thelma & Louise” e “Jogos Vorazes”.

Mas a verdadeira revolução que “Mulher-Maravilha” está promovendo vai além, e justamente por isso tem mais chances de ajudar a mudar Hollywood de vez. Além de ter uma heroína à frente, a maior parte da equipe por trás das câmeras também era formada por mulheres, da diretora Patty Jenkins à designer de produção, passando pelas decoradoras de set, técnicas de efeitos especiais e coordenadora de efeitos visuais.

Clay Enos/ TM & (c) DC Comics
Para dirigir "Mulher-Maravilha 2", Patty Jenkins exigiu receber o mesmo que um colega homem receberia depois de um sucesso de bilheteria Imagem: Clay Enos/ TM & (c) DC Comics

Outro tabu quebrado por Jenkins provou o que deveria ser óbvio: mulheres são sim capazes de comandar uma produção de mais de US$ 100 milhões e fazer não só um bom filme, mas um grande blockbuster (lembrando que ela é apenas a segunda diretora a receber um orçamento deste tamanho, depois de Kathryn Bigelow dirigir "K-19: The Widowmaker", de 2002).

A desvantagem aqui ainda é enorme --entre as 250 maiores bilheterias de 2016 nos EUA, só 7% tiveram diretoras, e as mulheres foram apenas 17% dos profissionais envolvidos nesses filmes atrás das câmeras (segundo o mesmo estudo da Universidade de San Diego).

Em uma entrevista à revista Vanity Fair, a própria Jenkins apontou o quanto o buraco é bem mais embaixo, ao lembrar que grande parte dos projetos que chegavam a ela já estavam muito avançados, e eram moldados por um ponto de vista muito específico, de um tipo muito específico de profissional do sexo masculino.

“Geralmente era um cara que tinha uma ideia, e chamava outro cara para escrever, e outros cinco caras para opinar”, contou. “Eu não me identificava com aquilo. Precisamos de mais projetos com diversidade e precisamos incentivar a ideia de que qualquer um pode ser um personagem universal. Se um carro ou uma tartaruga podem ser um personagem universal, então uma mulher obviamente também pode ser, e pessoas de diferentes etnias e origens também podem. Essas histórias podem ser ligeiramente diferentes [do que estamos acostumados], e temos que dar espaço para elas”.

O sucesso de Jenkins, e sua postura, têm sido aplaudidos por suas colegas –da diretora de “Cinquenta Tons de Cinza”, Sam Taylor-Johnson, à própria Geena Davis— e deve inspirar muitas profissionais mais jovens. Outra lição importante que ela deixa, aliás, é no espinhoso campo da desigualdade salarial.

Sem se deixar intimidar por um mundo dominado por homens, a cineasta levou esta atitude para as negociações de seu salário no próximo filme. Aqui, aliás, uma provável desconfiança da Warner na capacidade da diretora acabou saindo cara. Contrariando o que costuma ser o padrão na indústria, o estúdio não colocou no contrato de Jenkins a opção para um segundo filme, e ela pôde renegociar seu pagamento depois de provar, e muito, seu valor nas bilheterias.

Segundo a imprensa especializada, quando assinar o contrato, o que deve acontecer em breve, ela vai bater mais um recorde e se tornar a diretora mais bem paga de Hollywood, simplesmente porque exigiu receber o mesmo que um colega homem receberia depois de um blockbuster como “Mulher-Maravilha”. Isto significa um salto de algo entre US$ 1,5 a US$ 3 milhões (salário um diretor novato em um filme de super-herói) para cerca de US$ 10 milhões, mais 10% de participação (valor que Zack Snyder recebeu em seu segundo filme para a DC, "Homem de Aço").

O reflexo dos caminhos aberto pelas super-mulheres de “Mulher-Maravilha” no mundo masculino dos blockbusters já começam a ser vistos. Em 2018, Ava DuVernay ("Selma") se tornará a terceira diretora (e primeira mulher negra) a receber um orçamento de mais de US$ 100 milhões, para “Uma Dobra no Tempo”, da Disney. Gina Prince-Bythewood também avança por aí como a primeira mulher negra a comandar um filme de super-herói ("Silver & Black", spin-off de "Homem-Aranha" centrado na Gata Negra e na Sabre de Prata, programado para 2019), e Anna Boden vai codirigir "Capitã Marvel", primeiro filme da Marvel com uma mulher como protagonista (também para 2019).

Antes disso, porém, a Warner planeja uma campanha milionária para levar “Mulher-Maravilha” a indicações de melhor filme e direção no Oscar 2018. Seria uma primeira vez no universo dos filmes de heróis, mas também poderia se tornar um marco por outro motivo: apenas uma diretora levou a estatueta até hoje (Kathryn Bigelow, em 2010), e desde então não vimos uma representante nossa entre as indicadas. Talvez esteja na hora disso mudar.

Veja o trailer de "Mulher-Maravilha":

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
Colunas - Ricardo Feltrin
EFE
Roberto Sadovski
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
Da Redação
do UOL
do UOL
Reuters
Chico Barney
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
EFE
AFP
Topo