Filmes e séries

Com filme para a Netflix, Angelina Jolie tenta superar fracassos na direção

Divulgação
Srey Moch e Angelina Jolie nos bastidores de "First They Killed My Father" Imagem: Divulgação

Beatriz Amendola

Do UOL, em São Paulo

14/09/2017 04h00

Da Lara Croft de “Tomb Raider”, Angelina Jolie levou mais do que alguns milhões e o posto de estrela de ação de Hollywood no começo dos anos 2000: ela carregou também uma paixão pelo Camboja, país que serviu de locação ao filme. O relacionamento se tornou duradouro. Seu primeiro filho, Maddox, foi adotado lá, e a atriz, que passou a se dedicar cada vez mais às causas humanitárias, se tornou cidadã do país em 2005.

Agora, em 2017, a ligação de Jolie com o Camboja deu outro fruto: o filme “First They Killed My Father”, que estreia nesta sexta-feira (15) na Netflix e é dirigido pela atriz. Baseado no livro autobiográfico da escritora e ativista Loung Ung, ele conta a história de uma família separada pelo regime do Khmer Vermelho, que cometeu um genocídio no país nos anos 1970. A principal perspectiva é a da versão criança de Ung, interpretada pela cambojana Sareum Srey Moch.

Roland Neveu/Netflix/Divulgação
A atriz Sareum Srey Moch em cena de "First They Killed My Father" Imagem: Roland Neveu/Netflix/Divulgação

O filme talvez seja o mais pessoal já feito por Jolie – e isso vai além de seus laços com o país e seu engajamento. Loung Ung é, há anos, uma de suas amigas mais próximas, e colaborou com a adaptação – assim como Maddox, 16, que é creditado como produtor executivo.

Mas “First They Killed My Father” traz ainda outro marco para a artista: é o primeiro de seus filmes como diretora a conquistar a crítica. Exibido no festival de Telluride, no início do mês, ele arrebatou elogios e foi aplaudido de pé pelo público. Veículos como a revista “Hollywood Reporter” e o site IndieWire o classificaram como “o melhor filme” de Jolie até agora e tem especulado sobre possíveis indicações ao Oscar 2018, em categorias além da de melhor filme estrangeiro.

Evolução

A trajetória até aqui não foi simples. Angelina Jolie estreou na direção com “Na Terra do Amor e do Ódio”, lançado em 2011. Contando uma história de amor que tinha como pano de fundo guerra civil da Bósnia,  entre um sérvio e uma muçulmana, o longa já carregava a marca do engajamento de Jolie. A ideia do roteiro surgiu, inclusive, de uma visita da atriz à Bósnia Herzegovina como embaixadora da ONU.

O nome estrelado da atriz, porém, não foi suficiente: nas bilheterias americanas, o filme arrecadou US$ 300 mil – quase nada, para os padrões hollywoodianos. A crítica também torceu o nariz, e a produção causou controvérsia no leste europeu, sendo acusada de “fazer propaganda” e de retratar os sérvios como vilões.

Isso não impediu que Jolie voltasse à direção três anos mais tarde. Em 2014, ela lançou “Invencível”, sobre a história do atleta americano Louie Zamperini, que após um desastre aéreo quase fatal durante a Segunda Guerra Mundial sobreviveu por 47 dias dentro de um bote só para ser apanhado por soldados japoneses e se tornar um prisioneiro de guerra.

Divulgação
"À Beira-Mar" foi flop nas bilheterias Imagem: Divulgação

Os clichês do filme não caíram bem com os críticos, mas a audiência embarcou na história. No mundo todo, “Invencível“ arrecadou US$ 163 milhões na bilheteria, superando bastante seus custos, de US$ 65 milhões.

Em 2015, porém, veio outra escorregada. A atriz e cineasta deixou as guerras de lado para fazer seu filme mais destoante, “À Beira-Mar”. Ela e o então marido, Brad Pitt, estrelaram a produção como um casal em crise e afetado pelo luto – o que viria a ser interpretado pela mídia e pelos fãs como uma espécie de sinal quando foi anunciado que os atores haviam se separado, após 11 anos de união e seis filhos.

Apesar de contar com dois dos maiores nomes de Hollywood em frente às câmeras, o filme não emplacou. “À Beira Mar” arrecadou pouco mais de US$ 3 milhões internacionalmente e não pagou nem metade dos US$ 10 milhões gastos na produção. Ela tampouco conseguiu seduzir os veículos especializados, que a chamaram de “maçante” e “inerte”.

Agora, dois anos mais tarde, “First They Killed My Father” promete ser um ponto de virada para Jolie. A boa repercussão tem ofuscado até a controvérsia em torno do processo de escalação dos atores mirins, por meio de um jogo que envolvia dar dinheiro às crianças para depois pegá-lo de volta. Se ela se mantiver, esta será a chance que a atriz e cineasta precisava para firmar sua carreira como diretora – e, de quebra, deixar para trás o espetáculo midiático em que se transformou o seu divórcio com Brad Pitt.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
Da Redação
do UOL
Reuters
Chico Barney
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
EFE
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
Topo