Filmes e séries

Incômodo, filme de Danilo Gentili deixa no chinelo "peladão" do museu

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

12/10/2017 04h00

O que é arte? A pergunta, tão vaga quanto chata, está no centro da polêmica de duas exposições que, segundo grupos conservadores de direita, "erotizam as crianças" e "fazem pedofilia". Pois um dos ídolos dessa "patrulha", Danilo Gentili, produziu um filme que põe no chinelo a "criança viada" da exposição "Queermuseu" e o "peladão" do MAM (Museu de Arte Moderna de São Paulo).

Do ponto de vista cinematográfico, "Como se Tornar o Pior Aluno da Escola", que estreia nesta quinta-feira (12), é uma obra de arte, embora tenha "roteiro de filme lixo", como o próprio filme brinca. Despretensiosos, Gentili e o diretor, Fabricio Bittar, simplesmente emularam o humor inconsequente de clássicos da "Sessão da Tarde" e do "Cinema em Casa" (inclusive produziram uma chamada com o locutor do SBT), como "Porky's" (1982) e "Curtindo a Vida Adoidado" (1986).

Mas não chame um conservador para assistir a "Como se Tornar o Pior Aluno da Escola". Se os "patrulheiros" invadiram o MAM a socos e pontapés exigindo a prisão de Wagner Schwartz por "pedofilia", porque uma menina acompanhada da mãe tocou o pé, a canela e a mão do corpo nu do artista, imagine a histeria deles ao ver uma cena de masturbação entre um homem e o protagonista de 14 anos no filme de Gentili! E mais: como reagiriam ao ver os testículos do humorista na tela grande?

No longa, Gentili ensina dois estudantes de 14 anos a deixarem de ser "cabaços" (palavra repetida 27 vezes no longa). Eles bebem cerveja (o público não sabe que é guaraná), fumam, fazem bullying e objetificam mulheres. Para a "patrulha" de esquerda, será mais um pretexto para xingar o humorista. Já a "patrulha" de direita, que se chocou com o "peladão" do museu, terá motivos para invadir a casa de Gentili, do diretor, a sede da distribuidora, Paris Filmes...

Por isso, não há época melhor para Gentili lançar o filme, baseado no seu livro de 2009 em que conta como se tornou o pior aluno de sua escola. Em produção há quase seis anos, ele chega ao cinema no momento de forte contestação artística e mobilização em defesa da família, da moral e dos bons costumes. Todos os bons costumes, aliás, foram ridicularizados no longa. Quem quiser ver zoeira juvenil sairá feliz no final da sessão.

Divulgação
Cena de "Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola" Imagem: Divulgação

Aula de malandragem

Vamos à história: um adolescente dedicado nos estudos começa a ir mal nas provas e precisa de uma nota dez para não ser reprovado, quando encontra uma caixa de sapatos Kichute (uma das referências do filme aos anos 80) com o guia para ser o pior aluno da escola. Ele e outro colega chegam ao autor da obra, interpretado por Gentili, que no filme é praticamente o "rei do camarote" e sempre se dá bem em suas "pequenas corrupções".

Os "bons costumes" são representados por Carlos Villagrán, o eterno Quico da série "Chaves". Ele interpreta o diretor da escola onde os discípulos de Gentili estudam, Ademar Frederico Melquior (uma das várias citações a "Chaves" no filme). Ele se orgulha por ter eliminado o bullying da instituição, mas logo é surpreendido pelas travessuras dos dois alunos.

Mesmo tendo aprendido português, Villagrán sofre para pronunciar palavras simples, como "rebeldia". Algumas frases ficaram ininteligíveis, mas o próprio filme faz piada com o ator mexicano: "Por que contratamos se não entendemos nada do que ele fala?".

A escola-modelo também tem suas "maçãs podres", como diz Ademar Melquior: Olavo, faxineiro interpretado por Moacyr Franco, dá aval para as crianças aprontarem, e o professor de História vivido por Rogério Skylab não para de pedir aumento e "rouba" até no café da sala dos mestres.

Após aprender a arte da malandragem com Gentili, os estudantes tocam o terror na escola. Se passasse na "Sessão da Tarde", o locutor diria que "essa turminha da pesada apronta altas confusões". Explosões, brigas e fugas em alta velocidade fazem as duas crianças parecerem a versão brasileira do endiabrado "Pestinha".

O filme traz um convite à anarquia e ao lema "f... o sistema" --a palmatória na primeira cena e a trilha sonora roqueira reforçam a ideia. É praticamente um "Another Brick in the Wall" da zoeira. Como Gentili explicou aos jornalistas, a escola é uma metáfora de outros cenários "opressores", como faculdade, trabalho ou qualquer lugar com que o espectador pode se identificar (há o projeto de lançar uma trilogia com outros ambientes).

Ao mostrar o diretor, que proibiu o cigarro na escola, fumando escondido, o longa também manda um recado para a sociedade conservadora e hipócrita, a mesma que deve "patrulhar" as cenas polêmicas com as crianças protagonistas. Se a arte serve para chocar e incomodar, "Como se Tornar o Pior Aluno da Escola" o faz com louvor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Cinema - Imagens
Cinema
Cinema
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
EFE
BBC
do UOL
do UOL
AFP
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
AFP
do UOL
AFP
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo