PUBLICIDADE
Topo

Após revelar estupro, atriz italiana é atacada pela imprensa e deixa país

A atriz italiana Asia Argento - Getty Images
A atriz italiana Asia Argento Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

18/10/2017 11h14

A atriz italiana Asia Argento foi uma das primeiras mulheres a acusar o magnata Harvey Weinstein de estupro. Porém, ela teve que deixar a Itália e se mudar para Berlim, na Alemanha, por conta das críticas machistas que vem recebendo na imprensa local.

Em entrevista à emissora italiana Rai, Argento explicou sua decisão. “Não vejo o que posso fazer lá. Volto quando as coisas melhorarem para lutar ao lado das outras mulheres. Não tive coragem de falar até agora porque viu o que aconteceu, vinte anos depois do ataque?”

A atriz revelou o estupro em uma reportagem da revista “New Yorker” sobre os abusos cometidos por Weinstein. Em seu relato, ela contou que foi atacada por Weinstein quando tinha apenas 21 anos, após ser deixada com ele em um quarto de hotel.

Parte da mídia italiana tem criticado a atriz e outras vítimas de Weinstein pela demora em revelar os abusos cometidos pelo diretor. O jornal “Libero”, por exemplo, publicou um artigo intitulado “Primeiro elas cedem, depois reclamam e fingem lamentar”, com o subtítulo “ceder aos avanços sexuais de seu chefe é prostituição, não estupro”.

No Twitter, Argento afirmou que vai processar o jornal por “ofender sua reputação e insultar sua dignidade como mulher”. Em entrevista recente à revista “Variety”, a artista já havia reclamado do posicionamento da imprensa de seu país. “Eu estou sendo criticada pela mídia italiana, o que é medieval”, disse ela, acrescentando que “até os anos 1960 você podia matar sua mulher e isso era chamado de ‘crime de honra’ se ela tivesse traído. Até 1996, o estupro era considerado um crime contra a moral, não contra uma pessoa”.

Segredo de Hollywood

No início de outubro, uma reportagem publicada pelo "The New York Times" revelou que Harvey Weinstein assediou mulheres durante décadas. Dias depois, a revista "New Yorker" publicou sua própria reportagem sobre o tema -- dessa vez, com acusações de estupro.   

Com o passar dos dias, o número de denúncias explodiu. Nomes de peso da indústria, como Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Mira Sorvino e Rosanna Arquette também acusaram o produtor. Weinstein, que ao lado do irmão Bob construiu uma fábrica de sucessos de bilheteria, com 80 premiações do Oscar e mais de 300 indicações, deixou o seu cargo na empresa que fundou e foi expulso do Sindicato dos Produtores e da Academia. 

Nesta terça-feira uma outra atriz famosa revelou que foi abusada por Weinstein. Lena Headey, a rainha Cersei de "Game of Thrones", falou que o produtor insinuou uma vaga em um filme em troca de sexo. "Eu entrei no meu carro e chorei", escreveu a atriz em seu Twitter.