Filmes e séries

Momoa sobre traje de Aquaman: É como estar em sua própria poça de m****

Divulgação
Quando Jason Momoa estava com seu traje completo de Aquaman, era melhor manter distância Imagem: Divulgação

Natalia Engler

Do UOL, em Londres (Inglaterra)*

12/11/2017 04h00

Se você inveja a vida das estrelas de Hollywood, cercada de mordomias nos sets de filmagens de grandes filmes, talvez mude de ideia. Se já não é muito fácil rodar sequências cheias de ação, que exigem muito fisicamente, imagine fazer isso com 20 kg a mais sobre o corpo.

Pois essa era a vida de Ben Affleck quando encarnava o Batman em “Liga da Justiça”, e de Jason Momoa como Aquaman. “Foi minha primeira vez usando um traje assim e fazendo todas essas cenas de ação”, contou o ator australiano durante conversa com jornalistas.

Clay Enos/Warner Bros.
O traje de Batman usado por Ben Affleck pesava cerca de 20 kg Imagem: Clay Enos/Warner Bros.

“Mas para o Ben com certeza foi mais difícil, o [traje] dele pesa uns 20 quilos, o meu pesa uns 14 kg. Quando você dá um soco ou se move, é um peso extra sem que haja uma força para pará-lo, e você é arrastado por diferentes partes do seu corpo”, diz.

E o peso nem era a única desvantagem para o intérprete de Bruce Wayne. “A melhor coisa para suportar passar por isso foi ver Ben ter que colocar aquela máscara, e eu não precisava. Me dava muita satisfação ver meu amigo sofrer”, brinca Momoa.

Mas isso nem é o pior: agora imagine que, além do peso e da máscara, você tem que carregar litros de suor durante horas e horas de filmagens.

“Você sua muito dentro desse traje, é como estar dentro da sua própria poça de merda”, compara Momoa. “Você diz para a equipe: 'Sinto muito que você tenha que tirar isso pra mim'”.

Affleck completa: “Você perde uns 7 kg de água todos os dias. É nojento quando você tira. Está tudo grudado na sua cueca”.

A culpa de tanto sofrimento é do figurinista Michael Wilkinson, que comandou uma equipe de cerca de 50 pessoas para vestir os heróis no filme que reúne também Mulher-Maravilha (Gal Gadot), Flash (Ezra Miller), Ciborgue (Ray Fisher) e Superman (Henry Cavill), a partir desta quarta (15) nos cinemas.

* A jornalista viajou a convite da Warner Bros.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Reuters
do UOL
Topo