PUBLICIDADE
Topo

Atrizes que acusam produtor foram proibidas no elenco de "Senhor dos Anéis"

Peter Jackson no set da casa de Bilbo Bolseiro em "O Hobbit: Uma Jornada Inesperada" - Hagen Hopkins/Getty Images
Peter Jackson no set da casa de Bilbo Bolseiro em "O Hobbit: Uma Jornada Inesperada" Imagem: Hagen Hopkins/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

15/12/2017 16h06

O diretor Peter Jackson revelou que Harvey Weinstein o impediu de escalar Ashley Judd e Mira Sovino para o elenco de “O Senhor dos Anéis”. Judd e Sorvino, conhecidas pelos papéis em “Divergente” e “Poderosa Afrodite”, respectivamente, estão entre as mais de 60 mulheres que acusaram o poderoso produtor de assédio sexual.

A atriz Mira Sorvino participa de premiere de filme em Hollywood em abril de 2016 - Joe Scarnici/Getty Images for Ruffino Wines - Joe Scarnici/Getty Images for Ruffino Wines
A atriz Mira Sorvino participa de premiere de filme em Hollywood em abril de 2016
Imagem: Joe Scarnici/Getty Images for Ruffino Wines
“Eu me lembro da Miramax dizer para nós que elas eram um pesadelo e deveríamos evitar trabalhar com elas a todo custo. Isso provavelmente foi em 1998”, afirmou o diretor ao “Stuff”, site da Nova Zelândia, país de origem do diretor.

“Mas em retrospectiva, percebo que isso foi muito provavelmente uma campanha de difamação de Miramax em pleno andamento”, observou. "Eu agora suspeito que nós éramos abastecidos de informações falsas sobre essas mulheres talentosas – e como resultado direto, seus nomes foram retirados da nossa lista de elenco.”

A revelação feita por Jackson prova as informações divulgadas anteriormente pelo “The Guardian” de que o magnata de Hollywood teria uma “lista negra” com nomes de artistas. Em seu Twitter, Judd compartilhou a entrevista e comentou: “Eu me lembro bem disso”.

A atriz Ashley Judd participa da Marcha das Mulheres em Washington DC, em janeiro de 2017 - Theo Wargo/Getty Images - Theo Wargo/Getty Images
A atriz Ashley Judd participa da Marcha das Mulheres em Washington DC, em janeiro de 2017
Imagem: Theo Wargo/Getty Images
O homem por trás da trilogia falou pela primeira vez sobre Weinstein desde que a primeira acusação veio a publico, em outubro. Jackson chegou a levar o projeto de adaptação dos livros de J. R. R. Tolkien para a Miramax, estúdio liderado pelo produtor na época, mas o pouco contato com os irmãos Weinstein foi traumática.

Jackson afirmou que não tinha "experiência direta ou conhecimento das acusações sexuais", mas que após a experiência com o estúdio, havia tomado a decisão de nunca mais trabalhar com o produtor.

Segundo ele, os irmãos Weinstein se comportaram como "valentões mafiosos de segunda categoria".

Na mesma época, o produtor ameaçou retirar Jackson da adaptação de “O Senhor dos Anéis”, caso o diretor não seguisse suas exigências, entre elas, desistir de dividir o filme em duas partes. Foi assim que Jackson conseguiu levar o projeto para a New Line Cinema. No novo estúdio, o projeto se tornou uma trilogia.

Ainda assim, o nome de Weinstein aparece nos créditos dos filmes. “O nome dele está no filme por motivos contratuais, mas ele não teve nada a ver com a produção”, completa.