Topo

Filmes e séries

#MeToo e Time's Up: entenda as iniciativas de Hollywood contra o assédio

Getty Images
Tarana Burke, criadora do Me Too, foi com Michelle Williams ao Globo de Ouro Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

19/01/2018 15h14

Hollywood nunca mais foi a mesma depois do dia 5 de outubro, quando vieram a público as graves denúncias de assédio sexual contra o produtor Harvey Weinstein, um dos magnatas da indústria cinematográfica. Em algo inédito, atrizes (e atores) do primeiro escalão se abriram para falar sobre os problemas de discriminação e violência sexual dentro do cinema e da TV, descortinando uma faceta sombria de um mundo glamoroso, que envolvia abuso de poder, assédio, estupro e ameaças de ostracismo.

A onda de denúncias resultou em dois movimentos importantes: o #MeToo e o Time’s Up, que tiveram os caminhos abertos por outras duas campanhas abraçadas por Hollywood, a Ask Her More e o #HeForShe. Para você não ficar confuso, explicamos abaixo o que é cada um deles:

#MeToo (eu também)

O movimento foi criado pela norte-americana Tanara Burke em 2007, muito antes de virar hashtag nas redes sociais. Burke, que também é a fundadora da Just Be Inc, uma ONG voltada a promover o bem-estar de garotas negras e de outras minorias, deu início ao movimento para apoiar vítimas de abuso sexual, agressão e assédio em comunidades pouco privilegiadas, que geralmente têm pouco acesso a auxílio médico e social – seguindo a ideia do “empoderamento através da empatia”.

Como hashtag, o #MeToo viralizou pouco após as denúncias contra Weinstein virem à tona. O termo ganhou força após a atriz Alyssa Milano publicar em seu Twitter uma mensagem pedindo às vítimas de assédio e abuso que escrevessem “me too”, para dar às outras pessoas uma noção da magnitude do problema.

Debra Messing, Lady Gaga, Evan Rachel Wood, Gabrielle Union, Bjork, Patricia Arquette e outras famosas adotaram a hashtag, e outras como Jennifer Lawrence e Reese Whiterspoon revelaram suas experiências publicamente em seguida.

 

Time’s Up (o tempo acabou)

Tendo em vista a grande repercussão das acusações e das denúncias que derrubaram poderosos de Hollywood como Kevin Spacey, Brett Ratner e Bryan Singer, um grupo de atrizes, executivas e outras funcionárias da indústria resolveram lançar, no primeiro dia de ano, uma iniciativa concreta para combater casos de violência sexual e discriminação de gênero no ambiente de trabalho.

O projeto conta com o apoio de mulheres como Emma Stone, Natalie Portman, Shonda Rhimes, Eva Longoria, Reese Witherspoon, Emma Watson, Jessica Chastain e Nicole Kidman, entre outras. Foi dentro dele que surgiu a ideia do protesto do último Globo de Ouro, quando as mulheres foram vestidas de preto e muitos homens usaram broches apoiando a o movimento.

Entre os objetivos da iniciativa, estão:

  • Criar de um fundo de defesa legal voltado a auxiliar mulheres que sofreram assédio sexual e/ou sofreram retaliação ao denunciá-los.  
  • Propor leis para penalizar empresas tolerantes ao assédio persistente e desencorajar o uso de acordos de silêncio de vítimas.
  • Estimular o aumento do o número de mulheres em cargos de liderança.

É possível fazer doações ou comprar uma camiseta para apoiar o fundo de defesa do Time’s Up.

As predecessoras

Ask Her More (pergunte mais a ela)

O primeiro chacoalhão na temporada de prêmios hollywoodianos aconteceu em 2015, quando as atrizes aderiram à campanha criada por Jennifer Siebel Newson, cineasta e fundadora da ONG The Representation Project, que analisa a forma como as mulheres são representadas na mídia.

A Ask Her More tinha um objetivo simples: pedir que a cobertura dos tradicionais tapetes vermelhos das premiações fosse além da pergunta “o que você está vestindo hoje?” Atrizes como Cate Blanchett e Julianne Moore já vinham expressando seu descontentamento com isso, e a campanha foi abraçada por suas colegas.

“Há tantas indicadas incríveis e talentosas esse ano! Vamos ouvir as histórias delas“, pediu na época Reese Whiterspoon, que tem sido uma das principais articuladoras do Time’s Up.

He For She (ele por ela)

Embaixadora da Boa Vontade da ONU Mulheres, Emma Watson lançou em 2014 o slogan que foi recebido de braços abertos pela indústria cinematográfica.

A campanha, idealizada pela ONU, pedia a homens e garotos que se engajassem na luta pela igualdade de gênero. E vários famosos apoiaram a ideia, omo Jared Leto, Harry Styles, Matthew Lewis, Tom Hiddleston, Russell Crowe, Simon Pegg e Joseph Gordon Levitt.

Hollywood nunca mais foi a mesma depois do dia 5 de outubro, quando vieram a público as graves denúncias de assédio sexual contra o produtor Harvey Weinstein, um dos magnatas da indústria cinematográfica. Em algo in&e","image":{"sizes":{"personalizado":"","original":"450x600"},"height":600,"width":450,"crops":"1x1;3x4;4x3;9x16;16x9;16x12;80x80;100x70;128x96;142x100;142x200;300x100;300x200;300x300;300x420;300x500;615x300;564x430;615x470;956x500;1024x768;1920x1080;1280x1920","src":"http://conteudo.imguol.com.br/c/entretenimento/3e/2018/01/07/tarana-burke-e-michelle-williams-1515371884328_v2_450x600.jpg","type":"","titulo":"Tarana Burke, criadora do Me Too, foi com Michelle Williams ao Globo de Ouro","credito":"Getty Images"},"date":"19.01.2018 15h17","kicker":"do UOL"}}' cp-area='{"xs-sm":"49.88px","md-lg":"33.88px"}' config-name="cinema/cinema">

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!