Filmes e séries

"Dr. Parnassus" traz última atuação de Heath Ledger

Divulgação
Heath Ledger estrela o filme de Terry Gilliam ''O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus" Imagem: Divulgação

06/05/2010 17h13

SÃO PAULO - Único norte-americano na famosa trupe britânica de humoristas Monty Python e seu maior roteirista, além de diretor de filmes como "Monty Python e o Cálice Sagrado" (1975), entre vários outros, Terry Gilliam foi perseguido por uma inacreditável maré de azar na entrada dos anos 2000 -- quando a doença de seu ator principal, o francês Jean Rochefort, problemas financeiros e até enchentes aniquilaram um projeto com o qual ele sonha há anos, "The Man who Killed Don Quixote".

Por conta disso, ele ficou sete anos sem concluir um trabalho (tempo que passou entre "Medo e Delírio em Las Vegas", de 1998, e "Os Irmãos Grimm", de 1995). O azar voltou mais sinistro ainda durante as filmagens de "O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus", em que ocorreu a morte do ator Heath Ledger, em janeiro de 2008.

Não fosse a extrema generosidade dos atores Johnny Depp, Jude Law e Colin Farrell, talvez o filme se tornasse outro projeto abortado de Gilliam. Felizmente, a parceria entre os três -- que substituíram Hedger nas cenas que faltava filmar -- e o criativo diretor concluiu o filme, que foi exibido no Festival de Cannes 2009, indicado a dois Oscar (direção de arte e figurino) e na sexta-feira estreia no Brasil.

"O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus" sintetiza o melhor da imaginação de Gilliam ao contar a história de uma excêntrica trupe mambembe, que percorre as ruas de Londres, liderada pelo Dr. Parnassus (Christopher Plummer). O misterioso guru convida os espectadores a entrarem numa espécie de espelho mágico, que proporciona a cada um uma viagem imaginária diferente. Alguns são lançados pelo espaço e encontram criaturas medonhas. Outros têm experiências mais prazerosas, em paisagens coloridas.

TRAILER DO FILME "O MUNDO IMAGINÁRIO DO DR. PARNASSUS"

Os assistentes de Parnassus são sua filha adolescente, Valentina (Lily Cole), o jovem Anton (Andrew Garfield) e o pequenininho Percy (Verne Troyer, o Mini-me de "Austin Powers"). A trupe não consegue arrecadar mais do que alguns trocados a cada passagem e, não raro, tem que fugir de clientes insatisfeitos com o pavor sofrido do outro lado do espelho.

Um dia, os atores salvam a vida de Tony (Heath Ledger), que encontram dependurado pelo pescoço debaixo de uma das pontes de Londres -- uma imagem sinistra, ainda mais quando se lembra que Ledger morreu, embora não daquela maneira. O estranho está desmemoriado e passa a trabalhar no grupo, mostrando-se até eficiente como marqueteiro e na exploração de novas praças.

Se Tony tem um passado não muito edificante a esconder, pior ainda é o caso de Parnassus. Há uns mil anos -- literalmente -- ele não consegue resistir a apostar com Mr. Nick (o roqueiro Tom Waits), que é ninguém menos do que o Diabo em pessoa. Nick está chegando para cobrar o preço da última aposta de Parnassus para manter sua inacreditável longevidade: a filha dele, Valentina, que está prestes a completar 16 anos, data acertada para sua entrega a Nick. Só que ela nem desconfia disso.

Nick não é um cobrador apressado. Sabendo do fraco de Parnassus por apostas e de seu desespero para manter a filha, ele lhe proporciona uma nova chance de adiamento: propõe que o mago lhe arranje, no lugar da moça, cinco almas. E Parnassus vai à luta. Uma das melhores sequências está na passagem dos saltimbancos por um luxuoso shopping center, onde montam seu estande e proporcionam emoções disputadas a muito dinheiro por parte das frequentadoras do local.

Com a sua liberdade de imaginação e senso de ritmo, o filme caminha muito bem, levando o espectador numa viagem que tem seus momentos de suspense, diversão e até reflexão -- Gilliam é esperto demais para fazer alusões gratuitas ao bem e ao mal, ao mundo dos ricos e às fraquezas humanas. Fala de moralidade com um humanismo cínico, falando de coisas sérias com um sorrisinho, sem pretender fazer discursos, nem converter ninguém.

A própria participação dos três atores, Depp, Law e Farrell, revezando-se no papel de Tony quando ele entra no mundo imaginário de Parnassus, mostrou-se, afinal, uma solução tão boa quanto se tivesse sido planejada no roteiro. O melhor é que salvou o filme, que se torna uma homenagem ao talento de Ledger, morto precocemente, aos 28 anos.

A maré de azar de Gilliam, afinal, parece finalmente estar decolando. Até "The Man who Killed Don Quixote", que ficou todos estes anos parado nas mãos da companhia seguradora, já entrou novamente em pré-produção, agora com Robert Duvall a bordo. Perto de completar 70 anos (em novembro), Gilliam parece, ele mesmo, o próprio Quixote, só que bem mais safado.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
Topo