Filmes e séries

Cineasta vira espião de uma firma de direito

12/07/2010 21h38

Por Eriq Gardner

LOS ANGELES, EUA - O documentarista Jason Glaser, que foi à Nicarágua entrevistar pessoas sobre suposta exposição a pesticidas em plantações de bananas da multinacional de alimentos Dole, depôs em uma ação cível, dizendo que atuou como agente disfarçado de uma firma de direito do Texas.

"Decidi que o filme não ia mudar grande coisa neste mundo", disse Glaser na quinta-feira, falando no banco de testemunhas durante o julgamento de uma ação envolvendo seis homens que afirmam ter ficado estéreis por exposição a pesticidas. "Decidi colaborar com a firma e ajudar no processo legal. Decidi utilizar o filme para esse objetivo."

Deixando de lado a questão de o que é mais nobre hoje em dia --fazer cinema documental ou praticar direito--, isso não suscita preocupações para cineastas que talvez não queiram que seus entrevistados suspeitem que estão lidando com um espião secreto?

Coincidentemente, a Dole travou recentemente uma disputa separada com outro documentarista. A empresa moveu uma ação por difamação contra um cineasta sueco por não fazer modificações que ela sugeriu em um documentário. O cineasta respondeu movendo uma ação contra a empresa, e a Dole acabou desistindo de sua ação.

Atualmente, em ainda outro caso, o cineasta Joe Berlinger está lutando para não entregar à Chevron 600 horas de imagens não editadas filmadas para um documentário sobre poluição petrolífera no Equador. Fato interessante, a empresa Dole prestou um depoimento no caso da Chevron.

Como disse recentemente o Projeto Cidadania, Mídia e Direito, "está em jogo a amplitude da proteção garantida a materiais não publicados colhidos para finalidades jornalísticas e, em última análise, a confiança básica entre jornalistas e suas fontes."

De volta ao caso de Jason Glaser: o advogado da Dole teve a oportunidade de inquirir o documentarista, e este revelou que a firma de direito do Texas pagou 17 mil dólares mensais a ele e sua equipe de filmagem, além de pagar as despesas de seu escritório, incluindo faxineira e jardineiros.

O cineasta disse que quis ser "mais que um cineasta" e fazer uma diferença concreta.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Cinema
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
EFE
Topo