Filmes e séries

Vítima de Polanski se diz satisfeita com decisão da Suíça

13/07/2010 12h39

PARIS, FRANÇA - A mulher que causou a condenação do cineasta Roman Polasnki por ter relações sexuais ilegalmente quando ela era menor disse nesta terça-feira estar satisfeita com a decisão da Suíça de não extraditá-los aos Estados Unidos por seu crime em 1977.

Samantha Geimer, hoje mãe de três filhos e com 40 e poucos anos, pediu repetidas vezes que o caso fosse arquivado. A Suíça se negou na segunda-feira a entregá-lo e o diretor foi libertado após meses de prisão domiciliar.

"Estou satisfeita com a decisão e espero que o promotor público encerre o caso e termine de uma vez por todas", disse Samantha à rádio francesa Europe 1.

Polanski se declarou culpado de ter relações sexuais com Geimer, na época com 13 anos, depois de lhe dar champanhe e drogas.

Ele fugiu antes de receber sua sentença em 1978, dizendo acreditar que o juiz revogaria um acordo sob o qual seus 42 dias de detenção recebendo avaliação psiquiátrica seriam considerados sua pena completa.

A esposa de Polanski, atriz francesa e cantora Emmanuelle Seigner, disse em entrevista à revista Libération que a decisão da Suíça representa um grande alívio.

"É o fim de um terrível pesadelo, principalmente para nossos dois filhos", disse ela. "Eu não poderia imaginar outro resultado. Hoje, as autoridades suíças perceberam a injustiça desse caso."

A libertação de Polanski foi amplamente bem recebida na França, onde o diretor reside e é cidadão.

O paradeiro de Polanski, aclamado internacionalmente por filmes como "Chinatown" e "O Pianista", foi mantido em sigilo na terça-feira. Seu advogado francês se negou a comentar informações de que o diretor estaria retornando à França a partir de seu chalé em Gstaad, na Suíça, onde esteve em prisão domiciliar desde dezembro passado.

(Reportagem de Julien Ponthus)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo