Filmes e séries

"A Origem" é um filme para os fãs pensarem a respeito

Divulgação
Cristopher Nolan dirige Leonardo DiCaprio Imagem: Divulgação

15/07/2010 11h19

Por Iain Blair

LOS ANGELES, EUA - O que há de errado com este filme? O lançamento mais comentado desta temporada não tem robôs, vampiros, alienígenas, brinquedos nem personagens dos quadrinhos. E nem mesmo é em 3D! Mas o que "A Origem", que estreia na sexta-feira nos EUA, tem é Leonardo DiCaprio no papel principal, o diretor Chris Nolan, de "Batman - O Cavaleiro das Trevas", e ideias suficientes para afundar um Titanic.

Essa ficção científica de alto orçamento sobre ladrões de sonhos lança o espectador nas profundezas obscuras e perturbadoras do inconsciente, onde tudo vale, mas nada é o que parece. Numa cena assustadora, a mulher do protagonista Dom Cobb (vivida por Marion Cotillard) comete suicídio na frente dele. Ou será só na cabeça de Cobb?

"Sempre fui fascinado pelos sonhos, pela memória e a percepção, e me pus a explorar mais essas áreas neste filme", disse Nolan, que já havia tratado do tema em "Amnésia". Para manipular a percepção de realidade da plateia, ele usou "equipamentos bizarros" e "tipos bizarros de instrumentos de tortura", especialmente nas várias cenas de levitação. "Quis deixar a plateia se perguntando o que exatamente está acontecendo", disse Nolan.

E ele não está brincando.

ASSISTA AO TRAILER DE "A ORIGEM"

As primeiras resenhas foram em geral positivas, mas poucos críticos se mostraram capazes de explicar totalmente o filme.

"Obviamente essa estrutura narrativa era extremamente ambiciosa pelo fato de que, simultaneamente, você tinha quatro estados diferentes do subconsciente humano, que representavam diferentes estados oníricos, e cada um afetava os demais", disse DiCaprio recentemente a jornalistas. Para ele, "A Origem" é um filme "de alta ação e alto drama em multicamadas, às vezes existencial, um filme surreal."

Filmes com temática adulta, como este, costumam ser lançados depois das férias de verão nos EUA, e não durante. Mas Nolan não parece preocupado. "Realmente acredito que as plateias serão desafiadas, e, sim, há muitas outras coisas (grandes lançamentos) acontecendo. Mas você não precisa entender tudo para gostar. Dá para simplesmente aproveitar o passeio, sem analisar todas as camadas."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo