Filmes e séries

Em "Ponyo", peixinho vira humano e causa abalo ecológico

29/07/2010 15h12

SÃO PAULO - Conhecido por suas animações sofisticadas e tramas complexas, como "A Viagem de Chihiro" (2001) e "O Castelo Animado" (2004), o cineasta japonês Hayao Miyazaki apresenta um filme de simplicidade mágica, mas ao mesmo tempo profundo, em seu mais recente trabalho "Ponyo - Uma Amizade que Veio do Mar".

O desenho estreia em circuito nacional em cópias legendadas, com áudio original em japonês, ou dubladas em português.

A personagem central é Ponyo, uma peixinha dourada que entra em contato com o mundo dos humanos quando é encontrada por Sosuke, um menino que mora numa casa à beira-mar com sua mãe. Ele ajuda Ponyo, que está presa num pote na praia. Em retribuição, ele ganha uma lambida num pequeno corte em seu dedo, que acaba cicatrizando rapidamente.

Para Ponyo, esse é o início de uma longa jornada. Após provar o sangue humano, a peixinha ganha a habilidade de se transformar numa menina. Ao lado de Sosuke, ela descobre o modo de vida dos humanos, frequenta a escola com o amigo, conhece outras pessoas e se alimenta com comidas variadas.

São momentos mágicos na vida dos dois. Ponyo, uma princesa do mar, sempre viveu aprisionada por seu pai. A liberdade que experimenta agora é algo novo em sua vida. O que ela e seu amigo não sabem, porém, é que, transformando-se em humana, ela deu início a um desastre ecológico, liberando um verdadeiro tsunami que inundará a vila onde moram Sosuke, sua mãe e outras pessoas.

ASSISTA AO TRAILER DE "PONYO"

Peixes e outras criaturas marinhas começam a tomar conta do lugar quando a água invade as casas, depois de já cobrir ruas e outras regiões mais baixas. Dotada de poderes mágicos, Ponyo transforma um barquinho de brinquedo num barco de verdade, e, ao lado do amigo, sai em busca da mãe dele - que estava numa casa de repouso para idosos, onde ela trabalha.

Com quase 70 anos de idade, Miyazaki, que também assina o roteiro, tem a imaginação ilimitada de uma criança, mostrando-se capaz de criar os personagens mais estranhos, sem romper o vínculo com a realidade. O estranhamento dos personagens e das situações, na verdade, pode ir além do que eles representam em si.

A amizade entre estranhos, a tolerância e o amor que rompe barreiras são os temas que permeiam "Ponyo". Mas isso tudo vem numa embalagem tão criativa, colorida, charmosa e encantadora, que nunca torna este trabalho um 'filme de mensagem'.

Os personagens, ao contrário do que acontece em muitas animações, não são unidimensionais, mas providos de complexidade e nuances. O pai de Ponyo, por exemplo, que pode parecer maligno e perigoso num primeiro momento, mais tarde se revela preocupado com o equilíbrio da natureza, o que explica as suas ações.

Se as obras anteriores de Miyazaki procuravam um diálogo com um público mais adulto, "Ponyo" é seu filme que fala mais abertamente com crianças de qualquer idade - o que não exclui adultos. Não é um filme infantil, no sentido que apenas crianças possam gostar. Adultos e crianças terão muito com o que se divertir - embora não necessariamente com as mesmas coisas.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo