Filmes e séries

"400contra1" focaliza politização do crime organizado

SÃO PAULO (Reuters) - O filme "400contra1 - Uma História do Crime Organizado", que estreia em circuito nacional, é uma nova versão de um episódio verídico retratado de forma mais bem-sucedida no drama "Quase Dois Irmãos" (2004), de Lúcia Murat. No centro da trama dos dois longas está o confinamento de presos comuns ao lado de presos políticos em pleno auge da ditadura, nos anos 1970, e a influência de um grupo sobre o outro.

A história que o diretor Caco Souza procura contar em "400contra1" é a de William da Silva Lima (Daniel de Oliveira, de "A Festa da Menina Morta"), audacioso assaltante de bancos. Ele e seu bando são criminosos comuns, mas, dentro do presídio de Ilha Grande (RJ), descobrem a disciplina dos presos políticos, bem como as vantagens que podem obter mediante sua própria organização. Assim, teoricamente, nascia a hoje temida facção do Comando Vermelho.

Essa é a premissa do filme, que parte do livro autobiográfico do próprio William Silva Lima. O que se vê na tela, no entanto, é uma profusão de cadáveres que só não é maior do que a confusão gerada pelas idas e vindas no tempo do roteiro, de Victor Navas e Julio Ludemir. A opção por flashbacks sucessivos cria uma narrativa truncada e não permite o desenvolvimento efetivo dos personagens.

ASSISTA AO TRAILER DE "400CONTRA1"

Enquanto a diretora Lúcia Murat, em "Quase Dois Irmãos", percorreu um viés político-social, Caco Souza procura enfatizar um aspecto policial e pop na história, na qual o que conta são os litros de sangue jorrando e cartelas indicando o ano em que cada ação acontece. Se a intenção foi lembrar algo como "Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes", do cineasta inglês Guy Ritchie, o diretor alcançou o seu objetivo.

Estreante em ficção, Souza assinou alguns documentários. Entre eles, a origem deste projeto, um curta chamado "Senhora Liberdade" (2004), em que entrevistou o verdadeiro William que, na época, estava no Presídio Ari Franco. Desde 2008, ele está foragido.

Em "400contra1", bons atores como Oliveira, Daniela Escobar, Branca Messina e Fabrício Boliveira parecem perdidos em meio a personagens que são clichês ambulantes, desprovidos de personalidade ou profundidade, falando diálogos ruins em meio ao ir e vir frenético da história.

Apesar do esforço para inscrever-se no gênero thriller, faltam a "400contra1" requisitos básicos, como uma narrativa de bom ritmo e personagens interessantes. Fica a sensação de que havia ali uma boa história para se contar, mas muitos floreios visuais e narrativos impediram-na de acontecer.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
Topo