Filmes e séries

George Clooney fica em 1º nas bilheterias dos EUA; arrecadação do período é a mais fraca desde 1997

Reprodução
Poster do filme "The American" com George Clooney, que lidera a bilheteria nos Estados Unidos Imagem: Reprodução

05/09/2010 18h21

LOS ANGELES - George Clooney passou na frente de seus rivais no fim de semana de Dia do Trabalho na América do Norte com a estreia de seu drama "The American", ainda que com uma bilheteria modesta para o fim da temporada de férias de verão.

De acordo com estimativas de estúdios divulgadas neste domingo, "The American" arrecadou US$ 13 milhões no período de três dias que começou em 3 de setembro, com um total de US$ 16 milhões desde quarta-feira.

A estreia ficou acima das previsões, mas foi semelhante ao fracasso de bilheteria do longa "O Amor Não Tem Regras", que encerrou sua temporada breve com US$ 31,3 milhões arrecadados.

O filme, no qual Clooney interpreta um entusiasta de armas escondido em uma pitoresca cidade italiana, foi dirigido pelo fotógrafo de rock Anton Corbijn e lançado pela Focus Features, da Universal.

Também estrearam o violento "Machete", da 20th Century Fox, na terceira posição com US$ 11,3 milhões, e a comédia romântica de Drew Barrymore, "Amor à Distância", em quinto lugar, faturando US$ 6,9 milhões. Os dois filmes foram lançados na sexta-feira.

"Machete" é uma homenagem sanguinolenta aos filmes B da televisão, usando o debate de imigração como pano de fundo. O filme estrela o ator Danny Trejo como um assassino mexicano que gosta de despachar suas vítimas com objetos afiados. Robert Rodriguez e Ethan Maniquis dirigiram o filme. O público foi majoritariamente latino, cerca de 60%, segundo a Fox.

"Amor à Distância" estrela Barrymore e Justin Long como amantes. É mais uma decepção de bilheteria para a atriz, que não teve grandes sucessos em filmes recentes como "Bem-Vindo ao Jogo", "Letra e Música" e "Amor em Jogo".

Queda na Venda de Ingressos

O campeão da semana passada, o drama "Takers", caiu para a segunda posição, com uma arrecadação de US$ 11,5 milhões, num total de US$ 37,9 milhões.

As vendas para os 12 filmes mais assistidos, neste fim de semana, atingiram o nível mais baixo desde o fim de semana de 11 a 13 de setembro de 2009. Um encerramento previsível de um verão fraco, apesar do boom do 3-D.

Porém, a receita da venda de ingressos de maio até o Dia do Trabalho deve superar a do ano passado, isso decorre do aumento do preço dos bilhetes. Por sua vez, o número absoluto de ingressos vendidos --uma medida mais precisa da saúde de Hollywood-- atingiu seu nível mais baixo desde 1997.

A empresa de pesquisa Hollywood.com Box-Office previu que 552 milhões de ingressos terão sido vendidos no verão, uma queda de 2,6 por cento em relação ao ano passado. A previsão para a receita das bilheterias chega a US$ 4,35 bilhões, um aumento de 2,4% em relação ao recorde do ano passado.

Os campeões da temporada foram "Toy Story 3" (US$ 408 milhões), "Homem de Ferro 2" (US$ 312 milhões) e "A Saga Crepúsculo: Eclipse" (US$ 298 milhões). Fracassos notáveis incluem "Como Cães e Gatos: A Vingança de Kitty Galore" (US$ 42 milhões ), "Coincidências do Amor" (US$ 21 milhões ) e "Jonah Hex: O Caçador de Recompensas" (US$ 10,5 milhões).

Filmes em 3-D, como "Toy Story 3" e "Como Cães e Gatos", permitiram que cinemas cobrassem ingressos em média 3 dólares mais caros, chegando a 20 dólares em alguns mercados. A média do preço dos ingressos foi de US$ 7,88, de acordo com a Hollywood.com Box-Office.

As estimativas são de que as vendas devem se manter tímidas por algumas semanas, já que os estúdios continuam estreando filmes considerados fracos, para se concentrar no lançamento de longas de prestígio para os feriados e a temporada de premiações.

(Reportagem de Dean Goodman)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo