Filmes e séries

Ozon faz retrato intimista de personagens em "O Refúgio"

Divulgação
Cena do filme "O Refúgio", de François Ozon Imagem: Divulgação

09/09/2010 12h08

SÃO PAULO - O francês François Ozon é um diretor que foge de rótulos. Suas escolhas de filme não seguem uma linha - ao menos não uma linha óbvia. Ele transita de um musical povoado por megeras ("8 Mulheres"), para um drama intimista sobre o fim de um casamento ("5x2"), e é capaz de ir ao kitsch ("Angel"), depois de um suspense quase Hitchcockiano ("Swiming Pool").

Ainda assim, há em todos esses uma marca, a sutileza em fugir da obviedade e o olhar perspicaz, especialmente com personagens femininos. Seu mais recente trabalho, a comédia "Potiche", acaba de estrear no Festival de Veneza.

Em "O Refúgio", que estreia em São Paulo e Rio de Janeiro na sexta-feira, o cineasta, que assina o roteiro com Mathieu Hippeau, faz um estudo de dois personagens que inicialmente são quase diametralmente opostos, mas, aos poucos, encontram a intersecção que os une.

Eles são Mousse (Isabelle Carré, de "Medos Privados em Lugares Públicos") e Paul (o estreante Louis-Ronan Choisy). São duas pessoas que por pouco não se conhecem, embora suas vidas estejam conectadas por um ponto em comum: Louis (Melvil Poupaud, que protagonizou outro filme de Ozon, "O Tempo que Resta").

Louis e Mousse moram num apartamento em Paris e são viciados em heroína. Ele morre de overdose acidental e ela acorda dias depois numa cama de hospital, onde recebe a notícia e também fica sabendo que está grávida. A mãe de Louis (Claire Vernet) trata o assunto da maneira mais direta possível: irá ajudar a moça a fazer um aborto, pois a família não deseja um descendente do rapaz.

Na cena seguinte, Mousse está numa casa de campo emprestada e com a gravidez bastante adiantada. Ela recebe a visita de Paul, irmão de Louis. Eles não são amigos, na verdade mal se conhecem, e custa para que algum vínculo afetivo se forme entre os dois. Como ela mesma diz ao rapaz: ele está invadindo o seu espaço. Mas, aos poucos, essa invasão toma outros contornos.

VEJA O TRAILER DE "O REFÚGIO"

Às vezes, o filme de Ozon parece superficial e seus personagens rasos e planos, mas isso é apenas uma leitura apressada. "O Refúgio" ganha densidade por aquilo que representa, mais do que pelo que mostra ou diz. Porque Mousse não interrompeu a gravidez? O que se passou no intervalo entre o funeral de Louis e a chegada à casa de praia onde ela está agora? Isso não sabemos, mas talvez pouco importe, pois o filme está interessado é no presente dos personagens. As lacunas não precisam ser preenchidas.

O relacionamento entre Mousse e Paul é o que impulsiona o interesse pelo filme - além do questionamento sobre o futuro do bebê que está para nascer. A protagonista está se tratando com metadona para abandonar o vício, mas parece não ter planos ou perspectivas para o futuro.

Como em seus melhores trabalhos, em "O Refúgio" Ozon faz um filme intimista que segue de perto o amadurecimento de poucos personagens. O diretor pode estar transitando apenas em sua zona de conforto, mas isso não diminui a eficiência da direção ou o interesse pelo filme.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo