Filmes e séries

Filme de Nigel Cole relembra protesto de mulheres por igualdade

Divulgação
Cena de "Made in Dagenham", dirigido por Nigel Cole Imagem: Divulgação

DOUGLAS MACLAURIN

27/09/2010 14h59

LONDRES - Um filme que relembra como um grupo de operárias desafiou a montadora Ford, em 1968, ao exigir paridade salarial com homens, estreia na Grã-Bretanha nesta semana e já chega com resenhas favoráveis.

"Made in Dagenham" (Feito em Dagenham, em tradução literal) é dirigido por Nigel Cole, que obteve sucesso com "As Garotas do Calendário" -- uma outra abordagem sobre mulheres reivindicando seus direitos.

Sally Hawkins é a protagonista, no papel de Rita, uma pacata maquinista que desafia a política da empresa de pagar às mulheres menos do que aos homens. Ela começa a atrair a atenção da mídia do país e de líderes políticos.

A greve interrompeu a produção da fábrica da Ford em Dagenham e, por fim, as mulheres acabaram conseguindo ter aumentos salariais. Segundo especialistas, foi uma ação decisiva para que o Parlamento britânico aprovasse o Projeto de Paridade Salarial, de 1970.

Para Hawkins, a história é um tributo à coragem das mulheres dispostas a correr o risco de despertar a ira de seus empregadores e colegas para obter a igualdade entre os sexos no ambiente de trabalho.

"Eu acho que será sempre uma luta que precisa ser travada, infelizmente", disse ela à Reuters, durante a recente pré-estreia.

"Mas acho que chegamos tão longe. Quando se revê a história recente, uma história que se pode quase tocar, e da qual pessoas da nossa convivência ainda se lembram", disse. "Quando a gente se recorda das coisas que elas eram obrigadas a aguentar...a gente pensa, bem, onde estaríamos sem elas."

Assim como Hawkins, a coadjuvante Rosamund Pike diz que a verdadeira igualdade ainda não foi conquistada.

"Seja qual for a razão, ainda recebemos menos e é uma luta que vale à pena ser lutada", afirmou.

Resenhas positivas

Bob Hoskins, que interpreta o simpático presidente do sindicato, diz que se lembra da cobertura feita pela mídia dos incidentes que se passaram há mais de 40 anos.

"Em 68, eu me lembro de ver na página 5 do jornal um artigo pequeno -- era sobre essas mulheres que estavam entrando em greve por igualdade salarial em Dagenham", disse à Reuters.

"Eu pensei, espere um pouco, isso deveria ser notícia de primeira página, mas nunca foi. Sabe, era ultrajante."

Indagado se algumas das mulheres envolvidas com o protesto original haviam visto o filme, o diretor Cole afirmou:

"Elas viram e nós ficamos bem assustados", afirmou. "A expectativa era grande, mas fico feliz em dizer que elas adoraram. Elas sentiram que o filme capta o senso de humor delas. Nós também conseguimos contar a história delas de uma maneira que elas reconheceram."

(Reportagem adicional e textos por Mike Collett-White)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Topo