Filmes e séries

Keanu Reeves estrela nova comédia sobre assalto a banco

Divulgação
Keanu Reeves em cena do filme "Henry's Crime" Imagem: Divulgação

05/10/2010 20h14

Por Ray Bennett

TORONTO, CANADÁ - Pode ter sido uma boa ideia combinar um romance nos bastidores de uma peça teatral com um drama sobre um assalto a banco em uma comédia. Embora "Henry's Crime", de Malcolm Venville, seja anunciado como comédia, é mais estranho do que propriamente cômico.

Keanu Reeves, que também participou na produção do filme, faz o papel central: o de um homem condenado por um roubo do qual não participou, mas que decide compensar pelo tempo que já passou na prisão, cometendo o crime ao sair da cadeia.

Embora os elementos das duas tramas combinadas sejam divertidos, o filme vai se tornando mais e mais tolo, em vez de suscitar as gargalhadas que procura.

Os cortes entre cenas de Reeves correndo para o palco para representar uma peça de Chekhov e saindo correndo do palco e, por outro lado, as dos assaltantes de banco cavando um túnel para o cofre-forte subterrâneo, visam ser hilárias, mas parecem apenas desajeitadas. Será preciso um marketing muito claro para que o público não fique confuso quanto às intenções do filme.

E mesmo isso pode não ser o suficiente, apesar da performance divertida de Vera Farmiga, que contracena com Reeves na peça de teatro, e de James Caan, seu parceiro principal no assalto a banco. "Henry's Crime" foi exibido no recente Festival de Toronto.

A história é a seguinte: o infeliz Henry (Reeves), casado sem emoção com Debbie (Judy Greer) e que tem um emprego tedioso como atendente em um pedágio, é levado a uma partida de beisebol pelos amigos Eddie (Fisher Stevens) e Joe (Danny Hoch). Só que não há partida de beisebol.

Em vez disso, Eddie e Joe assaltam um banco, deixando Henry esperando no carro, no qual pretendem fugir. O assalto não dá certo, o guarda do banco, Frank (Bill Duke), prende Henry.

Depois de cumprir sua pena, ele parte para assaltar o banco de verdade, e, através de uma série de coincidências que se pretendem engraçadas, descobre não apenas como arrombar o banco mas também como acobertar suas atividades.

Esta última parte acontece quando ele entra para uma trupe teatral pobre em uma produção de "O Pomar de Cerejeiras", de Chekhov, estrelado por uma beldade chamada Julie Ivanova (Vera Farmiga) que ele conhece quando ela o atropela com seu carro.

O diretor da peça escolhe Henry para fazer o papel principal, contracenando com Julie, e os ensaios são realizados ao mesmo tempo em que Henry e seu velho colega de cela Max (James Caan) cavam um túnel debaixo do teatro para chegar ao cofre do banco.

Eddie, Joe e Frank também se envolvem, e os cortes entre cenas ficam frenéticos, enquanto o diretor Venville ("Código de Sangue") tenta enfatizar os paralelos entre o destino dos personagens da peça e do filme. Mas a coisa nunca chega a engrenar.

Farmiga acrescenta um pouco de maluquice simpática ao humor irônico que mostrou em "Amor sem Escalas", e James Caan dá a impressão de divertir-se como Max. Ele se esforça para fazer o público se divertir igualmente, mas é uma luta inglória.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo