Filmes e séries

"Muita Calma Nessa Hora" tropeça em humor rasteiro

Divulgação
Fernanda Souza, Gianne Albertoni e Andréia Horta em cena do filme "Muita Calma Nessa Hora" Imagem: Divulgação

11/11/2010 14h03

"Muita Calma Nessa Hora" é um filme com um título bastante auto-explicativo, com pouca criatividade e uma série de pontas de humoristas de diversas gerações. Afinal, mostra-se a colagem de uma série de gags de humorísticos televisivos amarradas por merchandising e pretensão. Roteirizada por Bruno Mazzeo, João Avelino e Rosana Ferrão, o filme tem direção de Felipe Joffily ("Ódique?").

A trama é a mais surrada possível e parece extraída de uma novela das 7h, com sol, praia, gente bonita com pouca roupa e menos neurônios ainda. Tudo se pode esperar em matéria de mau gosto de um filme em que, antes da marca de 15 minutos, uma personagem engasga com um preservativo. A bem da verdade, "Muita Calma Nessa Hora" não baixa o nível além disso, mas, também, em momento algum se esforça para o elevar.

Na trama, três amigas mal amadas e infelizes viajam para um fim de semana em Búzios. Elas são Tita (Andréia Horta, da série "Alice"), Mari (a ex-modelo Gianne Albertoni) e Aninha (Fernanda Souza, que um dia já foi "Chiquitita"). No caminho, dão carona a Estrella (Debora Lamm, de "Seja o que Deus Quiser"), que parece uma hippie do século passado.

TRAILER DO FILME "MUITA CALMA NESSA HORA"

Crédito deve ser dado a quem merece. E Deborah Lamm, aqui, é uma revelação. Deixando de lado a histeria chata de sua personagem em "Seja o que Deus Quiser", ela é capaz de dizer as frases mais absurdamente sem sentido e, ainda assim, manter uma cara séria, de quem realmente acredita no que está falando. Não fosse a presença dela, o filme seria ainda mais intragável.

Tita e Mari disputam a atenção do surfista Juca (Dudu Azevedo) - e, como são muito boas amigas, parecem não se importar em dividir o mesmo homem. Já Estrella busca o seu pai, seguindo uma única pista, a tatuagem de sol que ele tem nas costas. Enquanto isso, Aninha proclama sua indecisão, incapaz de escolher entre um brinco, uma tatuagem ou um drinque.

Como muitas das comédias, "Muita Calma Nessa Hora" calca-se em cima de tipos e tenta extrair humor de sua ridicularização - é o caso da beata vivida por Maria Clara Gueiros, ou o paulista, interpretado pelo apresentador Marcelo Adnet.

Outros comediantes fazem pontas de maior ou menos duração, como Sérgio Mallandro - um tatuador que procura lembrar o personagem de Mickey Rourke em "Os Mercenários" - e o apresentador Marcos Mion, que parece ter aceitado participar apenas para aparecer sem camisa.

A direção de Felipe Joffily guarda todo o seu arsenal para uma delicada - até demais - cena de sexo, filmada apenas com closes nos rostos dos personagens. Seria um momento bonito, se a câmera e a fotografia de todo o resto do filme não se desenrolassem numa total banalidade. Assim, fica parecendo pretensão.

Talvez, no fundo, ao colocar em cena personagens tão ocos, o longa pretendesse criticar o vazio de uma geração. Mas aí também seria dar crédito demais ao filme.

 (Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo