Filmes e séries

"Enterrado Vivo" faz suspense com claustrofobia e guerra

Divulgação
Ryan Reynolds é o único ator em cena no filme "Enterrado Vivo" Imagem: Divulgação

"Você precisa de US$ 1 milhão de dólares até as 21h de hoje, ou será deixado para morrer nesse caixão." O ultimato dado ao motorista de caminhão Paul Conroy (Ryan Reynolds, de "A Proposta"), em "Enterrado Vivo", já diz muito sobre o que esperar desta produção, em que tensão, suspense e até críticas à guerra ao terror, empreendida pelos Estados Unidos, são a tônica desta claustrofóbica experiência.

Já nos créditos iniciais, o desconforto é imediato . Como o título indica, Paul foi enterrado vivo. Dentro do caixão, com pouco oxigênio, e munido apenas de um isqueiro e um celular, não entende o que está acontecendo.

A partir dos telefonemas aterrorizados que passa a dar, o público percebe o motivo do infortúnio: contratado como motorista de uma empresa norte-americana no Iraque, o comboio de Paul foi atacado por terroristas, que o fizeram refém em um sequestro.

TRAILER DO FILME "ENTERRADO VIVO"

O grupo rebelde, opositor da invasão dos EUA ao seu país, exige um resgate de US$ 5 milhões para deixá-lo partir - valor que sofre um desconto, quando o terrorista Jabir percebe que não há como receber tudo isso.

Para quem ligar? O governo irá liberar a quantia? As agências de inteligência norte-americanas aceitarão negociar com terroristas? O Exército conseguirá encontrá-lo com vida? Ele deve gastar o pouco de bateria para se despedir da mulher e filhos? Esses são apenas alguns questionamentos desesperados do protagonista.

O filme, do diretor espanhol Rodrigo Cortés, é cruel com Paul. O protagonista não sofre apenas com a ingrata situação, mas, sim, com a falta de esperança ao final de cada ligação. Ryan Reynolds, mais conhecido por filmes de ação (ele é o novo "Lanterna Verde") e comédias românticas, consegue dar fôlego ao filme, com uma performance inspirada.

O ator está sozinho em cena por mais de uma hora e meia de projeção, obrigado a carregar o filme nas costas. Assim, qualquer interpretação menos vigorosa seria sinônimo de catástrofe.

Causou surpresa, no entanto, que "Enterrado Vivo" tenha levado o prêmio de melhor roteiro original pela National Board of Review, antiga associação de críticos e formadores de opinião nos EUA, levando a melhor frente a "A Origem" (de Christopher Nolan). Há quem acredite que a premiação, que consagrou este ano "A Rede Social", de David Fincher, (melhor filme, diretor e ator), é um prenúncio do Oscar. Mas a história mostra, e as indicações de um e de outro confirmam, que isso nem sempre acontece.

(Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Topo