Filmes e séries

"Machete" investe na mistura sangue e humor

Divulgação
Danny Trejo no filme "Machete", de Robert Rodriguez Imagem: Divulgação

09/12/2010 11h25

"Machete", o novo, sangrento e também divertido filme de Robert Rodriguez ("Sin City") e Ethan Maniquis, é fruto de uma das habituais reciclagens do famoso diretor texano.

Na verdade, evoluiu de um trailer de "À Prova de Morte" (2007), de Quentin Tarantino, mas originalmente era uma ideia que Rodriguez havia imaginado 16 anos atrás, antes mesmo de fazer "El Mariachi" (1992) - o marco inicial de sua carreira, como suposto filme de menor orçamento até então feito (7.000,00 dólares).

Na hora de fazer o trailer, há três anos, o diretor lembrou-se do personagem Machete, um mexicano, ex-policial, que enfrenta na ponta de seu machete (uma enorme lâmina, semelhante a uma peixeira) traficantes de drogas, políticos e agentes federais corruptos. No final, o projeto cresceu, incorporando até uma dose de crítica às duras políticas antiimigração ilegal do governo norte-americano. "Machete" estreia apenas no Rio de Janeiro e São Paulo.

TRAILER DO FILME "MACHETE"

Interpretado pelo veterano Danny Trejo ("Con Air - A Rota da Fuga"), em seu primeiro papel como protagonista, Machete torna-se um heroi latino por excelência. Ele é um policial federal mexicano honesto que cai vítima da emboscada que uniu colegas corruptos e o megatraficante Torrez (Steven Seagal, o veterano de "A Força em Alerta"). O bandido assassina sua mulher e filho e acredita que matou Machete. Breve ele vai ressurgir bem longe, como um anônimo trabalhador braçal.

Machete cuida de sua vida mas, de algum modo, está sempre na mira dos piores tipos da sociedade, como um homem de negócios suspeito, Michael Booth (Jeff Fahey), que o procura com a proposta de matar, por uma soma muitas vezes maior do que o seu salário de trabalhador, um senador que concorre à reeleição, John MacLaughlin (o astro Robert De Niro).

Com uma campanha de combate radical aos imigrantes que atravessam ilegalmente a fronteira com o México, McLaughlin é a mais pura tradução da extrema-direita norte-americana, usando inclusive o termo "parasitas" para descrever os estrangeiros pobres que ele quer perseguir e expulsar a qualquer preço.

Mais uma vez, a trama é uma roubada para Machete que, apesar de não ter apertado o gatilho contra o senador, torna-se suspeito da tentativa de assassinato. Novamente, tem que fugir de tudo e de todos, especialmente da polícia - que, no filme de Rodriguez, é um dos maiores vilões.

Além de seu irmão, um padre nada convencional (Cheech Marin), Machete só pode contar com algumas mulheres - caso de Luz (Michelle Rodriguez, da série "Lost"), que lidera uma organização guerrilheira clandestina de defesa dos imigrantes; e também Sartana Rivera (Jessica Alba, de "Quarteto Fantástico"), uma honesta agente do FBI.

Um dos toques de humor da história está em transformar Trejo, um sessentão com cara de mau, todo tatuado e cheio de cicatrizes, num inusitado símbolo sexual, já que praticamente todas as belas mulheres que passam por seu caminho têm uma queda por ele.

No mais, o que há de cômico atende ao mais puro estilo Robert Rodriguez-Quentin Tarantino (que é, aliás, um dos produtores aqui): muitos tiroteios e sangue, com direito à exposição de algumas vísceras e até uma crucificação.

Outra marca registrada da dupla de diretores/produtores é a lembrança de alguns veteranos que andam meio sumidos - caso de Steven Seagal e também de Don Johnson, da série "Miami Vice", na pele de um sádico policial da fronteira EUA-México que persegue e mata inclusive uma mulher grávida, repetindo um incidente real ocorrido nos EUA (que, a bem da verdade, aconteceu depois que o filme estava pronto).

Outra que dá o ar de sua graça é Lindsay Lohan, interpretando a filha doida e drogada do bandidão Booth - o que remete aos problemas com drogas que a atriz, de 24 anos, vem enfrentando na vida real.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo