Filmes e séries

"O Vencedor" mostra as várias faces do mundo do boxe

03/02/2011 11h24

No ringue, só um lutador pode vencer. Mas se não fossem dois os heróis de "O Vencedor", a curva dramática do filme não existiria. São dois irmãos, homens de trajetórias inversas, que ocupam o centro da trama - Micky Ward (Mark Wahlberg, de "Os Donos da Noite"), o caçula, está subindo no mundo do boxe, no rumo de tornar-se campeão; o mais velho, Dicky Eklund (Christian Bale, de "Batman Begins"), ao contrário, já desperdiçou sua chance, embora tenha no currículo um nocaute sobre ninguém menos do que a lenda Sugar Ray Leonard.

Essa dualidade, que alimenta desde a tragédia grega até as histórias em quadrinhos, funciona com energia no drama dirigido por David O. Russell, com roteiro armado por Scott Silver, Paul Tamasy e Eric Johnson. Não é à toa que o filme vem acumulando prêmios - especialmente para Christian Bale e Melissa Leo, que parecem apostas certas no Oscar de coadjuvantes, depois de terem vencido os Globos de Ouro e os prêmios do Sindicato dos Atores. Além dessas duas, o filme concorre em outras cinco categorias: filme, diretor, montagem, roteiro original e atriz coadjuvante também para Amy Adams.

O que está fora do ringue é tão importante quanto o que acontece em cima dele. O clã familiar exerce uma pressão formidável sobre Micky Ward. Apesar de ser um lutador em ascensão, ele tem de carregar essa família toda nas costas - o irmão drogado que se tornou seu treinador, a mãe possessiva, Alice (Melissa Leo, de "Rio Congelado"), e um time de sete irmãs desocupadas e intrometidas. O pai dele, George (Jack McGee), faz o que pode, mas também costuma sucumbir a este quase irresistível poder.

TRAILER DO FILME "O VENCEDOR"

Diante do declinante sex-appeal, a matrona Alice compensa com mão de ferro o poder sobre os compromissos de Micky e sua renda - nem sempre em benefício do filho. Apesar de sua inegável experiência, Dicky é um treinador um tanto relapso - desaparecendo para 'viajar' no crack. Sem vida própria, Micky encontra na desbocada Charlene (Amy Adams, de "Dúvida") uma namorada e uma força nova para reagir ao resto do clã.

A performance sutil de Wahlberg, que produziu o filme e foi uma das principais razões de ele ter sido realizado, talvez não esteja sendo devidamente avaliada pelas premiações - que preferem atuações mais carregadas, embora excelentes, como são as de Bale e Leo. Mas são as dúvidas, hesitações e o tumulto interior desse protagonista que ditam o ritmo de todo o resto. Micky carrega a pulsação do filme em cada golpe dado ou recebido. Mas Dicky é quem sempre tem o poder de alterar essa energia.

Baseado em personagens e situações reais, "O Vencedor" insere seu nome numa longa galeria de bons filmes sobre o boxe, renovando sua gama de contradições dramáticas. Mesmo quem não gosta do esporte, pode sintonizar-se com as emoções à flor da pele de uma família irlandesa e exagerada, que lembra muitas outras que conhecemos tão bem.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
EFE
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
EFE
do UOL
EFE
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Topo