Filmes e séries

Aficionada por balé, Rússia torce por "Cisne Negro" no Oscar

07/02/2011 14h43

Por Nastassia Astrasheuskaya

MOSCOU, Rússia - A Rússia está torcendo para "Cisne Negro" ser vencedor no Oscar porque o drama de Hollywood encontrou eco no país, onde o balé é um patrimônio cultural importante.

Tendo Natalie Portman no papel da bailarina que faz o cisne negro, em "Lago dos Cisnes" - um balé composto por Pyotr Tchaikovsky no século 19 e amado pelos russos -, o filme fez sua estreia na capital na noite de sexta-feira, entre aplausos retumbantes.

TRAILER DO FILME "CISNE NEGRO"

"Eu ficaria tão feliz em ver um filme sobre balé ganhar", disse Anastasia Volockhova, uma das bailarinas mais famosas da Rússia. Ela já dançou "Lago dos Cisnes" várias vezes.

"O que temos na Rússia? A alma russa, o balé russo, a vodca russa. Desses elementos, o balé é o mais valioso, porque possui beleza, graça, realização", disse ela à Reuters, jogando para trás seus longos cabelos loiros.

Dirigido por Darren Aronofsky, "Cisne Negro" já arrecadou 120 milhões de dólares em todo o mundo e ganhou cinco indicações ao Oscar, incluindo as de melhor filme e de melhor atriz, esta para Portman. Os Oscars serão entregues em 27 de fevereiro.

"O filme será mais bem recebido aqui e na Europa que nos EUA, porque temos uma relação forte com o balé e a música", disse à Reuters a distribuidora da 20th Century Fox Yekaterina Romanenko, tendo ao fundo cinco bailarinas vestidas de cisne negro que dançavam ao som da música de Tchaikovsky.

A Rússia se orgulha de ser o epicentro do mundo do balé. A lista de estrelas do país parece um "quem é quem" do balé nos últimos cem anos, com nomes como Balanchine, Pavlova, Danilova, Nureyev, Baryshnikov e muitos outros.

A elite do balé russo opinou que Natalie Portman tem muitas falhas em sua dança, mas a aplaudiu por retratar com exatidão a vida difícil que as bailarinas podem enfrentar.

"Houve muitos erros logo visíveis a quem trabalha com balé", disse a prima ballerina Natalia Osipova, do famoso Teatro Bolshoi de Moscou.

"Mas ela (Portman) merece um Oscar, sem dúvida alguma", disse Osipova, acrescentando que a atriz mostrou como "o mundo do balé é cruel, como não há bondade humana nele e como, infelizmente, ele é cheio de negatividade."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo