Filmes e séries

Filme com Kevin Spacey aborda ganância de bancos e da população

Divulgação
Ator Kevin Spacey em cena do filme ''Margin Call'', de J.C. Chandor Imagem: Divulgação

Mike Collett-White

11/02/2011 12h15

BERLIM (Reuters) - Kevin Spacey atua no drama "Margin Call", cuja história se passa em um banco de Nova York que se apressa a passar adiante enormes dívidas impagáveis, sem levar em conta as consequências disso para o mercado ou para a população.

No papel do chefe de corretores de ações, Spacey sabe que seus atos vão prejudicar a reputação do banco e causar demissões, mas, como os outros personagens de um elenco que inclui Demi Moore, ele se sente obrigado a obedecer ordens, já que é pago para isso.

Chandor disse que o filme, que estreou na competição principal do Festival de Cinema de Berlim nesta sexta-feira, procura humanizar o mundo dos grandes bancos e mostrar que a ganância não se limita ao mundo financeiro.

"Para mim, o roteiro não mostra ganância excessiva da parte de um indivíduo, mas ganância em escala muito pequena da parte da população inteira, nos Estados Unidos com certeza", disse o diretor a jornalistas após a sessão para a imprensa.

Spacey declarou que gostou da oportunidade de mostrar como o crash financeiro de 2008 foi vivido pelas pessoas que estavam em seu cerne.

"Houve um período em que não se podia ver um jornal sem ler que todos os banqueiros eram as pessoas mais horríveis e gananciosas da face da terra", disse o ator, já premiado com o Oscar, em coletiva de imprensa.

"Na realidade, em muitos casos são pessoas comuns, que têm empregos comuns, que não ganham bilhões de dólares e são obrigadas a obedecer às ordens que recebem. Esse é o xis da questão moral, e é por isso que achei o filme fascinante."

Numa história que transcorre ao longo de 24 horas, "Margin Call" começa com demissões em massa feitas com brutalidade quase cômica.

Parece ser algo quase arbitrário decidir quem é demitido e quem fica, contas telefônicas são fechadas no instante em que a pessoa é demitida, e os recém-demitidos são escoltados para fora do prédio segurando caixas de papelão com seus objetos pessoais.

Um analista jovem (Zachary Quinto) recebe um arquivo eletrônico de seu mentor, que acaba de ser demitido, e descobre que o arquivo guarda o segredo sujo do banco: que a instituição tem bilhões de dólares em ativos praticamente sem valor algum.

Jeremy Irons, também já premiado com o Oscar, faz o chefe implacável que é convocado para o escritório sofisticado em Manhattan no meio da noite para uma reunião de emergência do conselho, onde terá de definir a melhor maneira de impedir o banco de ir à falência.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo