Filmes e séries

Em "127 Horas", Boyle narra drama real de aventureiro

17/02/2011 11h52

É necessário fazer uma distinção entre a história do verdadeiro Aron Ralston e aquela mostrada em "127 Horas", de Danny Boyle, que estreia em circuito nacional e concorre a 6 Oscars - entre eles, melhor filme e ator (James Franco).

O sujeito real é aquele que ficou 127 horas com o braço preso entre duas rochas, num cânion, em Utah, e teve de amputá-lo sozinho para conseguir sobreviver. Uma história que, em 2003, saiu em jornais do mundo todo e, mais tarde, virou um livro de memórias.

Engenheiro por formação, e aventureiro por natureza, Ralston (Franco) passa o final de semana escalando montanhas. Poucos incidentes cruzam o seu caminho: um par de garotas - interpretadas por Kate Mara e Amber Tamblyn - que têm pouca experiência e também estão explorando a mesma região. O filme se ocupa delas por pouco tempo. Os três se divertem numa piscina natural dentro de uma caverna, mas depois o protagonista segue sozinho.

Minutos mais tarde, cai numa fenda e uma rocha desliza por cima dele, prendendo seu braço. Começam então suas 127 horas de agonia. Para retratar isso, Boyle se vale de alguns malabarismos e muita pirotecnia, tentando segurar 90 minutos de um homem contra a natureza. Para criar o filme, o diretor tinha material em que se apoiar - o vídeo-diário que o próprio Ralston manteve naqueles dias, além do próprio sobrevivente para contar a sua história.

Essa é uma trama que beira o existencialismo - o toque de aventura se esvai logo no começo. É a história de um homem no limite que não pode fazer outra coisa para matar o tempo a não ser pensar em sua vida, lembrando-se da infância e dos pais (Treat Williams e Kate Burton).

Mas Boyle é um diretor dado a modernices que não se contenta em narrar. É preciso dividir a tela em três, usar imagens aceleradas e outros rebuscamentos que, no fim, só diluem a força que a narrativa tem a oferecer. Flashbacks ecoam pela mente de um Ralston quase agonizante que, entre uma tentativa e outra de se libertar, pensa na família, nos amigos e em tudo que está perdendo, preso entre duas rochas.

TRAILER DO FILME "127 HORAS"

Há dois anos, Boyle ganhou o Oscar de direção com "Quem Quer Ser um Milionário?" - outra história de um jovem que triunfa contra as adversidades graças ao amor. Sim, porque por mais que esteja enterrado nas entrelinhas, há um componente estranho de romance aqui. Afinal, o protagonista só toma as medidas mais drásticas depois de uma premonição sobre seu futuro caso consiga escapar dali.

O inglês Boyle estreou no cinema em 1994 com "Cova Rasa", um filme com uma história bizarra sobre amizade, traições e sangue - quase um conto macabro. Depois veio, em 1996, "Trainspotting", um filme que ajudou a sedimentar sua reputação de cineasta indie, de talento e gosto pela subversão - tanto temática quanto narrativa.

Mas, em mais de 15 anos de carreira, o diretor caiu num conformismo, rendendo-se a fórmulas fáceis - como "Quem Quer Ser um Milionário?" e "Caiu do Céu" - até veículos para grandes astros - Leonardo Di Caprio, no auge, logo após "Titanic", com "A Praia". De uma forma ou de outra, Boyle nunca mais esteve à altura do seu começo promissor.

É inegável que há um certo sadismo num filme em que transforma em um espetáculo visual uma amputação a sangue frio. É bem verdade que Boyle não espetaculariza o clímax, mas, nem por isso evita a grandiloquência - especialmente com a trilha de A.R. Rahman - quando finalmente decide transformar Ralston numa espécie de herói involuntário, que passa a valorizar a vida depois de ter chegado perto da morte.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo