Filmes e séries

''Eu Sou o Número Quatro'' investe em galã alienígena

14/04/2011 13h25

Depois de bruxos, mutantes, vampiros e lobisomens, um novo herói adolescente chegou para conquistar o coração de jovens da mesma idade, mas sem pelos no corpo e caninos desenvolvidos. Protagonista de "Eu Sou o Número Quatro", ele responde pelo nome de John Smith, um alienígena boa pinta.

Ele é enviado à Terra para fugir da perseguição de aliens malvados, que mataram todos os habitantes de seu planeta e agora procuram por aqui os últimos nove sobreviventes. A história do menino despachado de um planeta prestes a explodir lembra a de Kal-El, sobrevivente de Krypton, que, ao chegar à Terra, desenvolve poderes excepcionais e se transforma no Super-Homem.

Em "Eu Sou o Número Quatro", baseado no best-seller homônimo de James Frey e Jobie Hughes (que assinam com o pseudônimo de Pittacus Lore), o diretor D. J. Caruso tira proveito de uma curiosa história de ficção científica e um elenco jovem e bonito. Ou seja, todos os ingredientes para cair no gosto do público, principalmente o feminino.

Com produção de Steven Spielberg, o filme tem todo o potencial de liderar a bilheteria brasileira, repetindo o sucesso norte-americano e com cheiro de uma nova franquia.

TRAILER DO FILME "EU SOU O NÚMERO QUATRO"

John (Alex Pettyfer) acabou de se mudar para a pequena cidade de Paradise, no Ohio, na companha de Henri (Timothy Olyphant), que se faz passar por seu pai, mas, na verdade, é seu tutor. Ambos são oriundos do planeta Lorien, destruído por alienígenas inimigos, de Mogador. A mudança foi repentina porque outro jovem de Lorien foi morto pelos mogadorianos, logo no início do filme.

Três fugitivos de Lorien já foram mortos e John é o quarto da lista. Mais cinco jovens correm perigo, mas eles não se conhecem. Como John, também estão escondidos em algum lugar do planeta.

Henri quer que John não chame a atenção, mas é difícil convencer o adolescente a não se misturar com jovens da mesma idade, ou até mesmo se apaixonar por uma colega da escola, Sarah (Dianna Agron), ou se meter em confusão com estudantes encrenqueiros.

À medida que os inimigos se aproximam, John descobre que possui poderes especiais que, segundo Henri, irão se aperfeiçoar e o ajudarão a se defender. Suas mãos emanam uma luz azulada e ele é capaz de dar saltos e se deslocar em alta velocidade. Esses poderes lhe serão úteis para escapar dos aliens maus.

Para quem gostou da série vampiresca "Crepúsculo", as aventuras de John Smith serão mais uma opção de diversão descompromissada. Na era dos efeitos especiais, bons roteiros são peças de museu.

(Por Luiz Vita, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo