Filmes e séries

Com humor sombrio, "O Homem ao Lado" zomba da burguesia com briga de vizinhos

19/05/2011 12h47

A prova de que a comédia de humor negro argentina "O Homem ao Lado" não tem nada de fantasiosa é que, há algum tempo, foi exibida na TV brasileira uma briga entre vizinhos bem parecida com esta do filme - embora aquela do programa dominical tenha tido um desenrolar e resolução bem mais tranquilos.

O imbróglio entre os dois vizinhos se dá por conta de uma janela que está sendo construída com vista para o quintal de um deles. Mas não é apenas isso: o local em questão foi a única criação do arquiteto Le Corbusier na América do Sul, chamada de Casa Curutchet, em Buenos Aires. É bem provável que o verdadeiro local - ao menos sua fachada - tenha sido usado como locação do filme.

O morador do local, na ficção, é o designer Leonardo (Rafael Spregelburd) - sujeito rico, refinado e um tanto esnobe. Sua paz acaba no dia em que seu vizinho, Victor (Daniel Aráoz), começa a obra. As primeiras marteladas o acordam e, quando se dá conta, vê um buraco na parede que separa as duas casas: o local da futura janela.

Os métodos convencionais parecem não surtir efeito. Eles conversam, entram em acordos - que Victor não cumpre - e brigam novamente. Não ajuda o fato de Victor ser um sujeito estranho, de modos e manias bastante peculiares. Seu furgão é como uma casa, com móveis e até um globo de discoteca. Sabe-se lá o motivo.

TRAILER DO FILME "O HOMEM AO LADO"

Victor invade cada vez mais a vida insípida da família de Leonardo. A mulher (Eugenia Alonso) é professora de ioga, mas vive irritada e briga com todo mundo. A filha (Inés Budasse), por sua vez, não tira os fones do iPod do ouvido e passa o filme inteiro sem trocar uma palavra com as outras pessoas.

Leonardo também vive no seu mundo envernizado, coberto de cultura, que ele parece não compreender, e futilidades. Um exemplo é uma cena quando ouve música erudita com um amigo. Eles falam sobre as inovações criadas por um determinado compositor. Até mencionam a ousadia de colocar marteladas, mas, só mais tarde, notam que os golpes não fazem parte da música - estão acontecendo na casa ao lado.

Em "O Homem ao Lado", os diretores Mariano Cohn e Gastón Duprat fazem uma crítica à superficialidade da burguesia, às convenções a que os ricos e finos se atêm. No entanto, o filme podia ir mais a fundo nisso - ficando na superficialidade perde a oportunidade de ser mordaz em relação à futilidade da classe média argentina - e, por tabela, de boa parte da do mundo. Boas ideias estão espalhadas pelo filme. Há momentos engraçados, mas outros em que boas oportunidades parecem apenas ensaiadas e abandonadas.

A Casa Curutchet, assim como a premiada poltrona desenhada por Leonardo, é tecnicamente impecável, mas com suas rampas e paredes de vidro parece fria, pouco confortável. É nessa bolha que a burguesia se fecha e ignora o restante do mundo - uma visão de mundo que os diretores do filme, de vez em quando, compartilham.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Topo