Filmes e séries

Atualizada em 26.05.2011 22h05

Exageros estéticos atrapalham o nacional "Inversão"

O longa nacional "Inversão" é um filme que quer ser moderninho, mas acaba sendo modernoso. Desde seu slogan ("um filme baseado em fatos não reais") até seu visual de comercial, nada parece conspirar a seu favor.

No centro está uma história policial, que poderia funcionar melhor não fosse o exagero visual e sonoro que o diretor Edu Felistoque coloca nas imagens, na montagem e no som. Existe uma preocupação maior com a forma do que com o conteúdo.

 

A trama gira em torno de um sequestro, com duas histórias correndo em paralelo. Na primeira, um grupo (que inclui Rubens Caribé, Giselle Itié e Alexandre Barilari) sequestra um empresário (Tadeu di Pietro). Mas quando o avião no qual viajam cai numa floresta, o filme se transforma numa espécie de "Lost" tupiniquim.

A outra trama gira em torno de uma jovem delegada (Marisol Ribeiro) e dois policiais (Rodrigo Brassoloto e Wander Wildner) que investigam o sequestro. O maior empecilho é a inexperiência da moça, que vira motivo de chacota dos dois colegas. Essa é a parte do filme que remete a dezenas de seriados sobre investigação policial.

As tramas, como se percebe, não têm nada de mirabolante e poderiam funcionar direito se bem articuladas num filme sóbrio - o que não é o caso. Pouco se sabe sobre os personagens e o roteiro não se dá ao trabalho de criar qualquer empatia com qualquer personagem. É o retrato de um mundo cão em que cada um vive por si.

  • Trailer de "Inversão"

O tema, como remete o título, é a inversão de valores - ou um pensamento exagerado: os bandidos estão na rua e a classe média está acuada dentro de casa. Ou ainda os próprios ricos são obrigados a se tornar bandidos para sobreviver. Mas o golpe baixo mesmo vem com as referências ao ataque do PCC em São Paulo, em 2006.

O diretor é tão dado a invencionices visuais que todas as imagens do filme são invertidas, como se estivessem em frente a um espelho. Quem entrar na sala desavisado, vai se perguntar: Por que o volante do carro fica do lado direto? O filme se passa na Inglaterra? Não, isso é a materialização da tal inversão do título.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Blog do Barcinski
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
Topo