Filmes e séries

Indicada ao Oscar, Michelle Williams interpreta mulher com crise no casamento em "Namorados para Sempre"

09/06/2011 12h08

O que une e o que separa os casais pode ser simplesmente a mesma coisa. Aquilo que, no começo da relação, é uma qualidade, anos depois pode se transformar num defeito insuportável.

No doloroso "Namorados para Sempre", Dean (Ryan Gosling, de "A Garota Ideal") e Cindy (Michelle Williams, "Ilha do Medo") se conhecem, se apaixonam, casam, têm uma filha e o tempo consome a ternura.

Dirigido e coescrito por Derek Cianfrance, "Namorados para Sempre" investiga os mecanismos que aproximam as pessoas e as primeiras fraturas de um relacionamento que culminam com a separação. Para isso, a narrativa entrecorta passado e presente, dois tempos da descoberta e da perda. Há uma elipse grande entre os personagens da qual o roteiro dá conta muito bem, deixando nas entrelinhas tudo o que é preciso saber daqueles anos que não são mostrados no filme.

TRAILER DO FILME ''NAMORADOS PARA SEMPRE''

Como ao centro de "Namorados para Sempre" está o arco do casal de protagonistas, a força vem, é claro, das duas interpretações. Michelle (indicada ao Oscar) e Gosling encontram a distinção que existe entre o passado e o presente de Dean e Cindy. As mudanças pelas quais passam os personagens são críveis porque os atores trazem à tona exatamente o que há de mais humano nessas pessoas: a fragilidade.

Dean é romântico, apaixonado e quer ser feliz. Cindy quer estudar medicina, tem um namorado, Bobby (Mike Vogel), a quem ama, mas que logo perceberá que é alguém em quem não pode confiar.

Amar, diz o filme, envolve renúncias, autossacrifícios. A direção de Cianfrance adota tons diferentes para contar os dois momentos do casal. Texturas e cores servem para diferenciar o estado dos personagens em cada momento.

Já a trilha sonora de Grizzly Bear ajuda a criar um clima -- especialmente quando o par está se apaixonando, criando um ar um tanto onírico. É um clima de sonho, aliás, que persiste enquanto Dean e Cindy estão se conhecendo, se descobrindo.

Mais tarde, anos depois, quando a realidade os desperta, e eles percebem que viver a dois é mais complicado do que apenas estar apaixonado, pode ser tarde demais. Ainda assim, "Namorados para sempre" diz que amar vale a pena, mesmo quando o futuro é incerto.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
AFP
Cinema
do UOL
do UOL
Cinema
BBC
do UOL
EFE
Cinema
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Topo