Filmes e séries

Improvisação marca humor de "Quero Matar meu Chefe"

04/08/2011 16h33

Uma qualidade apreciada nas comédias é a capacidade de seus protagonistas serem espontâneos, readaptando suas ações e falas sem destruir o frágil equilíbrio entre surpresa e sutileza, que caracteriza o bom humor. O cinema está repleto de exemplos, como os atores Buster Keaton, Charles Chaplin, Jerry Lewis, Peter Sellers, entre outros ícones que marcam o imaginário cinéfilo.

A improvisação é, por esse princípio, um imperativo para muitas produções, que se salvam pela competência dos intérpretes por trás dos personagens.

No ano passado, foi o que se pode perceber em "Uma Noite Fora de Série", com Tina Fey e Steve Carell, "Gente Grande", com Adam Sandler, e, agora, "Quero Matar meu Chefe", de Seth Gordon, conhecido por dirigir bem-sucedidas séries de comédia televisivas como "Modern Family" e "The Office".

Embora esta produção tenha um roteiro redigido a seis mãos (John Francis Daley, Jonathan M. Goldstein e Michael Markowitz, todos vindos da TV), quem traz agilidade ao que se vê na tela são os atores, cuja liberdade para recriar o texto (encorajados pelo próprio diretor) é transparente. Prova disso são os inúmeros erros de gravação mostrados durante os créditos finais.

Nem por isso a trama perde complexidade. Nick (Jason Bateman), Dale (Charlie Day) e Kurt (Jason Sudeikis) são três amigos com um problema em comum: o trio odeia, cada um por seu motivo, os chefes de trabalho.

TRAILER DO FILME ''QUERO MATAR MEU CHEFE''

O abusivo Dave Harken (Kevin Spacey) trata Nick como capacho, inviabilizando sua prometida promoção. A dentista ninfomaníaca Julia (Jennifer Aniston) assedia sexualmente Dale, comprometendo o noivado do rapaz. Enquanto isso, Bobby (Colin Farrell), um cocainômano neurótico, destrói sistematicamente a empresa que Kurt iria herdar.

Não demora muito para os três chegarem à conclusão de que seus chefes devem morrer, a partir de uma divertida referência aos filmes "Pacto Sinistro" (de Alfred Hitchcock) e do divertido "Jogue a Mamãe do Trem" (de Danny DeVito). Isto é, para evitar suspeitas, cada um se compromete a matar o chefe do outro.

O problema desse "crime perfeito" é a completa inépcia dos protagonistas para arquitetar um assassinato. É nesse momento que entra em cena o "consultor" Dean 'MF' Jones (participação especial de Jamie Foxx), cujo nome completo é um palavrão impronunciável. Mas, como é de se esperar, muito pouco vai dar certo para a trupe de trapalhões.

A combinação dos diferentes estilos de Bateman, Day e Sudeikis equilibra o humor da produção que, somado às divertidas interpretações de Spacey, Aniston e Farrell, dão vigor à comédia. Embora em muitas cenas os diálogos descambem em baixarias, especialmente aquelas proferidas por Julia e Bobby, no fim, tudo se torna mais leve pela total falta de escrúpulos de que os atores dotam os seus personagens.

Uma curiosidade da produção é a máxima proferida por Kurt: "Você não pode vencer uma maratona sem colocar band-aids nos bicos do peito". A princípio sem sentido, mesmo dentro do filme, quem assistiu aos episódios da série de TV americana "The Office" poderá entender a referência ao personagem Andy Bernard (Ed Helms), quando disputou uma maluca maratona pró-combate à raiva.

"Quero Matar meu Chefe", enfim, mostra-se uma comédia ágil, moldada a partir de referências e da certeza de que seus intérpretes são espontâneos o suficiente para potencializar o riso. O diretor Seth Gordon acerta na condução do elenco, à vontade para perder completamente o senso do ridículo.

(Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Topo