Filmes e séries

Tarcísio Meira volta ao cinema como um malandro na comédia "Não se Preocupe"

04/08/2011 16h01

No conjunto de filmes dirigidos por Hugo Carvana, a figura do malandro tem um papel central, um papel carinhoso, na verdade. Desde sua estreia em 1973, com "Vai Trabalhar Vagabundo", até o mais recente "Casa da Mãe Joana", o diretor teceu um painel de tipos da sociedade brasileira - especialmente a carioca, incluindo também artistas e boêmios ("Bar Esperança", 1982).

Não é de se surpreender que, em seu mais recente longa, "Não se Preocupe, Nada Vai Dar Certo", os protagonistas sejam uma dupla de atores, pai e filho, que ganham a vida excursionando pelo Brasil, e engordam o salário com pequenos golpes do patriarca.

Tarcisio Meira e Gregório Duvivier interpretam essa dupla que, no começo do filme, mambemba pelo Nordeste brasileiro, apresentando-se, muitas vezes, em teatros improvisados. Ramon (Meira), o pai, é o irresponsável que coloca o filho, Lalau (Duvivier), em frias. Este, por sua vez, parece ser um comediante de talento, cuja vida está presa aos golpes do pai.

Se num primeiro momento, o roteiro de Paulo Halm ("Histórias de Amor Duram Apenas 90 Minutos") concentra-se na trama cômica e na dependência mútua entre pai e filho, com o tempo, a história se transforma numa trama policialesca, envolvendo corrupção e um crime misterioso.

TRAILER DO FILME ''NÃO SE PREOCUPE, NADA VAI DAR CERTO''

É uma guinada na narrativa que enfraquece o que, até então, não era muito forte, mas se sustentava aos trancos e barrancos graças à química entre Tarcísio e Duvivier. A partir de então, inconsistências e o tom de investigação de novela desviam as atenções.

Ainda no Nordeste, Lalau conhece Flora (Flávia Alessandra), jornalista e relações públicas que armou um workshop com um famoso guru indiano, no Rio. Quando este é preso, ela contrata o jovem comediante para passar-se pelo sujeito, promovendo um workshop para enganar ricos ávidos por receber lições de como enriquecer ainda mais. Entram também em cena Carol (Ângela Vieira), empresária com aspirações políticas, e seu marido, Rodolfo (Herson Capri).

A volta de Tarcísio ao cinema brasileiro, duas décadas depois de "Boca de Ouro" (e uma refilmagem deste nos EUA em meados dos anos de 1990), merecia algo um pouco melhor.

O carisma do ator e sua presença na tela, no entanto, não são suficientes para salvar o filme de sua trama mal-resolvida. A dupla que ele faz com Duvivier é ótima, por isso mesmo, eles mereciam uma trama mais à altura de seu talento.

(Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Topo