Filmes e séries

"Três Mundos" aborda atropelamento de imigrante ilegal na França

Alysson Oliveira

Do Cineweb*

30/05/2013 15h30

Escrito e dirigido por Catherine Corsini ("Partir"), "Três Mundos" é cinema francês tipo exportação: leia-se "não muito diferente de Hollywood, apenas o suficiente para soar exótico, mas sem exigir demais".

Protagonizado por Raphaël Personnaz ("Anna Karenina"), Clotilde Hesme ("Amantes Constantes") e Arta Dobroshi ("O Silêncio de Lorna"), o longa não se preocupa muito com o desenvolvimento dos personagens e também não dá muita atenção à trama, criando momentos previsíveis e outros sem muito senso.

O ponto de partida é um atropelamento, quando Al (Personnaz) causa o acidente com seu carro e não socorre a vítima. Assustado, foge. Mas da sacada de seu prédio, Juliette (Clotilde) vê tudo, chama a ambulância e a polícia, mas não consegue anotar a placa do carro. A vítima, Adrian (Rasha Bukvic), é um imigrante ilegal da Moldávia e as coisas se complicam devido a sua situação.

TRAILER LEGENDADOO DE "TRÊS MUNDOS"

Juliette, cujo relacionamento com o professor universitário Frédéric (Laurent Capelluto) está em crise, se sensibiliza com a situação e se torna amiga de Vera (Arta), mulher de Adrian que além de também ser imigrante ilegal, cuida do marido em coma. Já Al é um rapaz pobre que subiu na vida a custa de muito esforço e, agora, está às vésperas de se casar com a filha do patrão, Marion (Adèle Haenel).

Enquanto Vera e Juliette enfrentam questões burocráticas, a situação se complica pela falta de dinheiro e pela negativa do governo em ajudar um imigrante ilegal. Al é consumido pela culpa e quando vê uma notícia no jornal decide visitar Adrian no hospital. É um dos momentos mais estranhos do filme, quando ele pede ao rapaz em coma que sobreviva.

Os três mundos a que se refere o título são, obviamente, o de Al, o de Juliette e o de Vera -- que colidem por conta do acaso. Corsini articula as semelhanças e diferenças de forma a aproximar e afastar os personagens, mas o fato deles serem completamente decifráveis logo de cara não ajuda muito. Assim como o envolvimento amoroso que surge entre Al e Juliette.

"Três Mundos" é um filme que parece ser feito com toda a boa vontade do mundo, mas na articulação desses elementos a diretora não conseguiu ir além das intenções.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Topo